REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

Hospitais do Rio já atenderam 1.650 baleados neste ano

Corpo da menina de 11 anos, morta dentro de casa, foi enterrado nesta quinta sob clima de revolta

Marcio Dolzan e Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

06 Julho 2017 | 21h42

RIO - Os hospitais estaduais do Rio atenderam 1.650 baleados até junho. Em todo o ano passado, foram 2,1 mil. Os casos mais recentes são os de Vanessa dos Santos, de 11 anos, morta com um tiro dentro de casa; Samara Gonçalves, de 14 anos, na Baixada Fluminense, baleada na escola; e o do bebê Artur, atingido ainda no útero de sua mãe. 

No enterro de Vanessa, parentes e amigos pediram “justiça”. O pai, Leandro Matos, lamentou a ação policial. “Sempre foi assim. Nem dentro da sua casa você tem liberdade. Eles (policiais) não batem na porta. O sentimento é de revolta. Não está dando certo. Está morrendo muita gente inocente.”

Márcia Jacintho foi ao velório para se solidarizar. Em 2002, o filho dela, à época com 16 anos, foi assassinado por PMs. “Sei a dor da mãe quando perde um filho dessa forma”, disse. “Espero que não fique na estatística de bala perdida porque isso é o mesmo que levar morte à família duas vezes.”

Governo. Secretário de Segurança Pública do Rio, Roberto Sá disse nesta quinta-feira, 6, que “não há política de confronto”, ou seja, que policiais não são orientados a atirar em situações de embate com bandidos. Em maio de 2017, foram 541 mortes violentas, ante 473 no ano passado. “ O errado não é o policial que está numa ação e vai ser recebido a tiro. O errado é o criminoso que age com tanta impunidade e com tanto acesso de armas.”

À Globonews, ele ainda surpreendeu ao dizer que o nome Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), dado aos destacamentos permanentes em favelas, é equivocado. “Foi um sonho, uma utopia quem achou isso.”

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.