Yasuyoshi Chiba/AFP
Yasuyoshi Chiba/AFP

Jungmann descarta intervenções em outros Estados

Ministro da Defesa diz que criação da pasta da Segurança Pública terá objetivo de ajudar outros Estados a superar aumento da violência

Isadora Peron, Daiene Cardoso e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2018 | 20h54

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta segunda-feira, 19, que o governo não pretende estender o modelo da intervenção na Segurança Pública do Rio para outros Estados. Segundo ele, a situação do Rio “é diferente”.

“O Rio de Janeiro nos preocupa para além do que nós estamos vendo em situações que também são difíceis, mas que não chegam à gravidade do Rio de Janeiro”, disse.

Segundo Jungmann, a criação do Ministério da Segurança Pública, anunciada pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira, terá como objetivo ajudar outros Estados a superar os problemas na área. Questionado se o governo cederia se outros Estados pedissem a mesma medida, o ministro afirmou que essa é uma decisão que caberá a Temer.

+++ Forças Armadas apoiam polícias em operação nas divisas do Rio

Deputados de Estados como o Ceará e o Rio Grande do Norte, que também enfrentam índices crescentes de violência, têm defendido que o governo federal também adote um plano de intervenção para essas localidades. 

Votação. Jungmann está na Câmara para acompanhar a votação do decreto que autoriza a intervenção no Rio. Ele afirmou que o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), acredita que há condições para aprovar a medida ainda nesta segunda-feira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.