Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

MP e Polícia Civil deflagram operação contra tráfico de drogas na Baixada Fluminense

Operação Metástase II prendeu 14 suspeitos até o início desta manhã; policiais cumprem 27 mandados de prisão em cinco municípios no Rio de Janeiro

Paulo Roberto Netto, O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 08h09

SÃO PAULO - A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio de Janeiro prenderam, até o início da manhã, 14 suspeitos acusados de tráfico de drogas na Baixada Fluminense. As autuações ocorrem no âmbito da Operação Metástase II, deflagrada nesta terça-feira, 15. Objetivo é cumprir 27 mandados de prisão nos municípios de Duque de Caxias, Belford Roxo, São João de Meriti, Magé e Nova Iguaçu.

As ações estão sendo coordenadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado com apoio da Delegacia de Combate às Drogas, da Polícia Civil. Ao todo, 27 pessoas foram acusadas de tráfico de drogas, quatro deles também são procuradas por roubo de carga.

+ PF prende oito em operação contra lavagem do tráfico

As investigações que desencadearam a Operação Metástase II tiveram início em 2016 após a detenção de uma adolescente que transportava drogas da comunidade Nova Holanda, no Complexo da Maré, para a favela Igrejinha, em São João do Meriti. Com a jovem, foi apreendido um celular cujos contatos passaram a ser alvo de monitoramento.

Os policiais descobriram que a maioria dos contatos listados pertenciam a diversos núcleos envolvidos com tráfico de drogas que pertenciam à mesma facção. O grupo atuava em várias comunidades da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. 

+ Militares fazem operações contra tráfico e roubos de cargas no Rio

De acordo com o Ministério Público, os traficantes identificados criaram um esquema de trabalho no qual adolescentes eram captados para vender drogas e servir de "braço armado" nos confrontos com a Polícia Militar. O transporte dos entorpecentes eram feitos por pessoas sem antecedentes criminais, principalmente mulheres. Um dos núcleos investigados também atuava no roubo de cargas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.