Amanda Perobello/Estadão
Amanda Perobello/Estadão

Para Maia, intervenção no Rio é 'salto triplo sem rede' e precisa dar certo

Presidente da Câmara admite que precisou ser convencido da necessidade de se colocar em prática plano de segurança

Isadora Peron, Igor Gadelha, Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2018 | 13h11

BRASÍLIA - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), repetiu diversas vezes nesta sexta-feira, 16, que a decisão de intervir na segurança pública do Rio é arriscada e precisa ser muito bem planejada para dar certo.

“Está se dando um salto triplo sem rede, não se pode errar com a intervenção”, disse Maia, durante café da manhã com jornalistas nesta sexta.

Maia admitiu que precisou ser convencido da necessidade de se colocar em prática o plano, que foi traçado pelo governo federal. O presidente da Câmara também afirmou que só foi comunicado após a decisão já ter sido tomada.

+++ Comando Militar foi surpreendido com decisão de intervenção no Rio

A decisão de intervir na segurança do Estado foi tomada na noite de quinta, 15, em uma reunião no Palácio da Alvorada, da qual também participou governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB).

+++ Pezão afasta secretário de Segurança e comunica intervenção às polícias do Rio

O decreto, que será assinado pelo presidente Michel Temer nesta sexta, fará com que o Exército assuma a segurança pública do Estado, com responsabilidade sobre as polícias, bombeiros e a área de inteligência, inclusive com poder de prisão de seus membros. 

Com isso, o entendimento é de que a votação da reforma da Previdência, prevista para a próxima semana, terá que ser suspensa, pois a Constituição não pode ser alterada durante a “vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio".

+++ Decreto de intervenção dará poder ao Exército para assumir segurança pública no Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.