Assine o Estadão
assine

Brasil

Polícia Civil

Polícia abre inquérito para investigar ameaças a Tico Santa Cruz

Cantor relatou em vídeo no Facebook ter sido alvo de intimidações pelo telefone e pelas redes sociais; 26 perfis foram mapeados

0

Constança Rezende,
O Estado de S. Paulo

29 Fevereiro 2016 | 13h11

RIO - A Polícia Civil abriu inquérito para investigar ameaças recebidas pelo cantor Tico Santa Cruz pelo telefone e pelas redes sociais. Em vídeo gravado pelo cantor e divulgado em sua página no Facebook, na última sexta-feira, 26, o vocalista da banda Detonautas Roque Clube relatou que recebeu ameaças de violência contra seus filhos e família e, por isso, resolveu dar queixa.

No mesmo dia, o cantor se encontrou com o secretário estadual de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame. O policial o orientou a acionar a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e a Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática.

 

Venho recebendo ameaças de morte constantemente! Mas sigo lutando pelo que acredito. No entanto as ameaças se intensificaram e passaram a ser contra meus filhos. Isso não vou permitir! Fui recebido pelo Secretário de Segurança pública do Rio de Janeiro - José Mariano Beltrame que me orientou e me conduziu aos passos que foram tomados, tanto na denúncia junto à DRACO quanto com relação à minha Segurança e da minha família. Obrigado a todos que foram solidários! Agora é com a Polícia e a Justiça. Publicado por Tico Santa Cruz em Sexta, 26 de fevereiro de 2016

Segundo o cantor, 26 perfis nas redes sociais usados para ameaças já foram mapeados pela polícia. "Eu sei que muitos de vocês usam a internet e fazem piadas em relação a algumas questões em relação aos temas políticos e sociais do Brasil, mas, quando mexe com a família da gente, a gente tem que ter um pouco mais de cautela", desabafou Tico, no vídeo.

O cantor é conhecido por publicar no seu perfil no Facebook textos que defendem a esquerda e critica posições de deputados federais como Eduardo Cunha (PMDB-RJ)  e Jair Bolsonaro (PP-RJ). 

Comentários