1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Polícia encontra remédios vencidos, carne estragada e armas em zoo do Rio

- Atualizado: 25 Janeiro 2016 | 21h 04

Presidente da Fundação RioZoo, Sérgio Luiz Felippe, foi levado à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente após episódio

RIO - O presidente da Fundação RioZoo (que mantém o Zoológico do Rio), Sérgio Luiz Felippe, foi conduzido à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), nesta segunda-feira, 25, depois que policiais civis encontraram nas dependências do zoológico espingardas sem registro, medicamentos vencidos e 160 quilos de carne estragada.

Segundo o delegado João Ismar Rocha da Silva, assistente da DPMA, a vistoria desta segunda-feira fez parte de um inquérito instaurado em 2014 para investigar denúncias de maus-tratos aos animais do zoológico do Rio. "Após a interdição determinada pelo Ibama (em 14 de janeiro), voltamos lá para verificar a situação dos animais. Nos surpreendeu encontrar essas armas, os medicamentos vencidos e a grande quantidade de alimento estragado. Agora temos de apurar minuciosamente qual a origem dessas armas e se os medicamentos e alimentos estragados eram fornecidos aos animais", disse o delegado ao site G1.

Para Ibama, zoo não cumpre mais papel de educação ambiental

Para Ibama, zoo não cumpre mais papel de educação ambiental

As armas - quatro espingardas de calibres variados, além de rifles de ar comprimido - estavam em um armário do hospital veterinário.

Segundo a Polícia Civil, o presidente da Fundação RioZoo afirmou que desconhecia a existência das armas, todas sem registro. Felippe alegou ainda que uma falha no fornecimento de eletricidade pode ter afetado o funcionamento dos refrigeradores e estragado a carne.

Reabertura. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) anunciou nesta segunda-feira que um acordo firmado entre o órgão, o Ministério Público e a  Secretaria Municipal do Meio Ambiente prevê que a Prefeitura do Rio realize nos próximos dias as reformas necessárias e que o estabelecimento seja reaberto em 6 de fevereiro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX