Assine o Estadão
assine

Brasil

Zoológico

Polícia encontra remédios vencidos, carne estragada e armas em zoo do Rio

Presidente da Fundação RioZoo, Sérgio Luiz Felippe, foi levado à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente após episódio

0

Fábio Grellet,
O Estado de S. Paulo

25 Janeiro 2016 | 21h03

RIO - O presidente da Fundação RioZoo (que mantém o Zoológico do Rio), Sérgio Luiz Felippe, foi conduzido à Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), nesta segunda-feira, 25, depois que policiais civis encontraram nas dependências do zoológico espingardas sem registro, medicamentos vencidos e 160 quilos de carne estragada.

Segundo o delegado João Ismar Rocha da Silva, assistente da DPMA, a vistoria desta segunda-feira fez parte de um inquérito instaurado em 2014 para investigar denúncias de maus-tratos aos animais do zoológico do Rio. "Após a interdição determinada pelo Ibama (em 14 de janeiro), voltamos lá para verificar a situação dos animais. Nos surpreendeu encontrar essas armas, os medicamentos vencidos e a grande quantidade de alimento estragado. Agora temos de apurar minuciosamente qual a origem dessas armas e se os medicamentos e alimentos estragados eram fornecidos aos animais", disse o delegado ao site G1.

As armas - quatro espingardas de calibres variados, além de rifles de ar comprimido - estavam em um armário do hospital veterinário.

Segundo a Polícia Civil, o presidente da Fundação RioZoo afirmou que desconhecia a existência das armas, todas sem registro. Felippe alegou ainda que uma falha no fornecimento de eletricidade pode ter afetado o funcionamento dos refrigeradores e estragado a carne.

Reabertura. O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) anunciou nesta segunda-feira que um acordo firmado entre o órgão, o Ministério Público e a  Secretaria Municipal do Meio Ambiente prevê que a Prefeitura do Rio realize nos próximos dias as reformas necessárias e que o estabelecimento seja reaberto em 6 de fevereiro.

Comentários