Reprodução
Reprodução

Policiais fazem selfies sorrindo com Rogério 157

Secretário de Segurança do Rio disse que os policiais que tiraram selfies com o traficante serão investigados pela Corregedoria Interna da Polícia Civil

Constança Rezende , O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 11h44

Imagens que circulam na internet mostram fotos estilo "selfie" de policiais junto com o bandido Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, preso na manhã desta quarta-feira, 6. 

Em algumas das imagens, os policiais e o traficante aparecem sorrindo - em uma delas, uma policial está quase apoiada no ombro de Rogério e ambos estão sorrindo.

O Secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, disse que os policiais que fizeram selfies com Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157,  serão investigados pela Corregedoria Interna da Polícia Civil. O secretário afirmou que "houve uma euforia dos policiais, mas é possível que se tenha passado do ponto". 

Segundo o secretário, o caso será objeto de apuração interna e os policiais envolvidos nas fotos deverão ser ouvidos.

"Não deve glamorizar criminosos, ele é mais um dos 4 mil criminosos que a polícia prende por mês. Foi uma prisão emblemática, houve uma euforia, mas pelas fotos é possível que se tenha passado do ponto. Mas temos que entender a euforia e evitar qualquer tipo de atitude que possa glamorizar esses criminosos", disse o secretário, em coletiva no Centro Integrado de Comando e Controle da Polícia, no centro.

+++ Moradores da Rocinha relatam tiroteio após prisão de Rogério 157

Rogério foi preso na Favela do Arará, zona norte do Rio de Janeiro, quando a polícia realizava uma operação integrada na comunidade, e na Mangueira e Tuiuti, na zona norte do Rio de Janeiro. Um efetivo de 2,9 mil homens das Forças Armadas, membros das polícias Civil, Militar e Federal participaram da ação. 

Rogério foi o responsável pelo tráfico na Rocinha depois que tirou o poder de seu antecessor e ex-aliado, Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, que está preso.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.