Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Policiais federais fazem assembleia no Rio para questionar acordo

Brasil

Brasil

Brasil

Policiais federais fazem assembleia no Rio para questionar acordo

Apesar de federação da categoria ter aceito proposta do governo, profissionais se opõem a reajuste salarial de 15,8% e outros pontos

0

Thaise Constancio,
O Estado de S. Paulo

03 Julho 2014 | 13h18

RIO - Em frente ao Centro Aberto de Mídia, em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, um grupo de 50 policiais fez na manhã desta quinta-feira, 3, uma assembleia para debater o acordo assinado entre a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) e o governo federal por aumento salarial, ampliação do efetivo e melhoria na infraestrutura.

Sem entender ao certo o que acontecia, o jornalista indiano Prakash Chandra questiona o motivo da aglomeração. Ao saber que, apesar de a Fenapef ter aceito, os policiais fluminenses questionam a proposta do governo federal de reajuste de 15,8% e reconhecimento oficial da necessidade de nível superior para os cargos de escrivão, papiloscopista e agente da PF, ele estranha. "Mas eles estão questionando a União?", pergunta.

Ao confirmar a dúvida, completa: "Na Índia não existe esse tipo de coisa. Lá, eles seguem disciplinadamente, sem contestar".

A assembleia foi marcada na orla, justamente para chamar a atenção da população (e da imprensa) sobre as insatisfações e problemas da Polícia Federal. Um elefante branco foi colocado perto do carro de som e alertava para o baixíssimo desempenho das polícias nacional e estaduais de todo o País. Apenas 4% dos inquéritos policiais são concluídos.

"No Chile, um país da América Latina, 96% dos inquéritos são concluídos", observa o presidente do Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal no Estado do Rio de Janeiro (SSDPF/RJ), André Vaz de Mello. "Precisamos de melhores condições para prestar nosso serviço com qualidade para a população", completa.

Os policiais ainda esperam a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 51 que, entre outros temas, propõe a desmilitarização e a reestruturação das polícias para que atuem conjuntamente desde o policiamento ostensivo até a investigação dos crimes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.