WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Prefeito do Rio corta pela metade verba das escolas de samba

Segundo Crivella, dinheiro será investido nas creches da cidade; presidentes das agremiações ameaçam boicotar próximo carnaval

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

12 Junho 2017 | 17h42

RIO - O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), anunciou nesta segunda-feira, 12, que vai cortar pela metade a subvenção às escolas de samba do Grupo Especial e usar o dinheiro para dobrar, a partir de agosto, a diária paga às creches para atender crianças. A verba entregue pelo município às escolas de samba vai cair de R$ 24 milhões para R$ 12 milhões. 

As creches, que hoje recebem R$ 10 por aluno por dia, em agosto passarão a receber R$ 20 diários. Presidentes de escolas de samba, que apoiaram Crivella na eleição passada, fazem críticas ao prefeito e ameaçam até boicotar o próximo carnaval. Eles argumentam que o investimento no carnaval traz retorno econômico para o município. Segundo a própria prefeitura, o carnaval de 2017 atraiu 1,1 milhão de turistas ao Rio e movimentou R$ 3 bilhões.

"O que estamos fazendo é refletir como gastar melhor. Se vamos usar esses recursos para uma festa de três dias ou ao longo de 365 dias ao ano", afirmou Crivella nesta segunda-feira. O prefeito é bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, que condena o carnaval, e já foi alvo de críticas quando deixou de comparecer à cerimônia de entrega da chave da cidade ao Rei Momo, na sexta-feira anterior ao início da festa.

O presidente da Liga das Escolas de Samba do Rio (Liesa), Jorge Castanheira, afirmou que a redução no valor da subvenção vai se refletir na queda da qualidade dos desfiles, mas evitou criticar o prefeito. "Ainda não conversei com os presidentes das escolas. O prefeito iria nos receber nesta segunda-feira, mas precisou adiar essa reunião. Aguardamos a nova data da reunião para debatermos com ele a situação", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.