Reprodução
Reprodução

Quem é Rogério 157

Ele era chefe do tráfico de drogas na favela da Rocinha; após meses de busca, foi preso nesta quarta-feira no Rio

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 10h13

O traficante Rogério Avelino Silva, conhecido como Rogério 157, de 35 anos, nasceu em Governador Valadares (MG). Ganhou o apelido por causa da forma como se iniciou no crime: assaltando pessoas na zona sul do Rio de Janeiro. 

No Código Penal, o número 157 corresponde a roubo mediante grave ameaça ou violência a pessoa, por qualquer meio, reduzido à impossibilidade de resistência.

Ele era ligado à facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA), que controlava o tráfico de drogas na favela da Rocinha, zona sul do Rio de Janeiro, e foi o segurança pessoal do traficante Nem da Rocinha. 

+++ Polícia prende traficante Rogério 157 na zona norte do Rio

Em outubro deste ano, Rogério saiu da ADA e foi para o Comando Vermelho (CV), a facção mais antiga e com maior penetração em comunidades do Rio.

Rogério 157 fez parte do grupo de 10 traficantes que invadiu o Hotel Inter-Continental em agosto de 2010. Na época, os traficantes entraram em confronto com a polícia em São Conrado, após serem surpreendidos quando voltavam de baile funk. 

Segundo a Polícia, este grupo dava proteção ao traficante Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem da Rocinha, que conseguiu fugir do cerco policial naquela época. Atualmente Nem está preso no presídio federal de segurança máxima em Porto Velho (RO).

Depois de deixar a quadrilha de Nem, Rogério 157 começou uma guerra para liderar o tráfico de drogas na favela da Rocinha. Em setembro deste ano, cerca de 60 bandidos ligados a Nem invadiram a comunidade para expulsá-lo, o que resultou em confronto entre os traficantes. A Secretaria de Segurança Pública chegou a oferecer R$ 50 mil de recompensa pelo paradeiro dele.

Após meses de busca, foi preso na manhã desta quarta-feira, 6, na comunidade do Arará. Ele foi localizado durante uma megaoperação das polícias Civil, Militar e Federal, da Força Nacional e das Forças Armadas em comunidades nos morros da Mangueira, do Tuiuti, de Mandela e Arará, na zona Norte do Rio.

Segundo a polícia, Rogério 157 não ofereceu resistência à prisão e foi encaminhado para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.