1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Rio contará com 10 mil policiais militares na final da Copa do Mundo

Marcio Dolzan - O Estado de S. Paulo

10 Julho 2014 | 22h 58

Milhares de torcedores argentinos deverão acompanhar a partida; chefes de Estado também estarão presentes

RIO - Pelo menos 26 mil agentes estarão de prontidão para garantir a segurança da final da Copa do Mundo, marcada para domingo, no estádio do Maracanã, no Rio. Desses, 10 mil serão policiais militares. Além dos milhares de torcedores, principalmente argentinos, o evento irá contar com a presença de chefes de Estado. A chanceler alemã, Angela Merkel, e a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, já confirmaram presença, assim como a presidente Dilma Rousseff, que fará a entrega da taça. 

Segundo a Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro, 10 mil PMs vão trabalhar na operação do jogo entre Alemanha e Argentina. Outros 4.984 estarão em serviço no sábado, véspera da partida. A segurança no interior do estádio será feita por cerca de 1.500 seguranças privados, os “stewards”. A origem dos demais agentes de segurança não foi detalhada.

A presença da Argentina na final gera maior precaução por causa do grande número de torcedores esperado na cidade por conta da proximidade entre os países. Algumas dezenas de milhares deverão vir mesmo sem ter ingresso. Apesar disso, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, garantiu que não haverá nenhuma medida fora do esperado. “É aquilo que tinha sido inicialmente planejado para uma final. O plano está rigorosamente dentro do previsto.”

Cardozo se mostrou satisfeito com a segurança apresentada na Copa até agora. “Nos deixa tranquilo saber que manteremos o padrão de excelência que temos mantido desde o início (da Copa)”, declarou o ministro. O plano completo de segurança para a final de domingo será anunciado na manhã desta sexta, em coletiva de imprensa.

Ainda na segunda rodada da Copa do Mundo, no dia 18 de junho, a segurança do Maracanã sofreu um grande revés. Na ocasião, cerca de 200 torcedores, na maioria chilenos, invadiram o estádio a fim de assistir ao jogo entre Espanha e Chile. Na invasão, eles chegaram depredar a área de imprensa do Maracanã. Após o episódio, a segurança no local foi amplamente reforçada.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo