Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Temer e Pezão se reúnem no Rio para discutir a intervenção

Tropas do Exército já patrulham ruas da capital fluminense; encontro servirá para discutir a estratégia da intervenção, entre elas a possibilidade de convocar militares de outros Estados para reforçar a patrulha no Rio

Roberta Pennafort, Ricardo Rossetto, Mônica Ciarelli e Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2018 | 10h07

RIO e SÃO PAULO - O presidente Michel Temer se reúne neste sábado, 17, por volta do meio-dia, com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (MDB), no Palácio Guanabara, no Rio, para tratar da intervenção federal na segurança do Estado. A cargo da missão, o general do Exército Walter Sousa Braga Netto também participará. Após o encontro, eles falarão a jornalistas.

+++ Câmara marca para segunda-feira votação de decreto sobre intervenção no Rio

A intervenção foi decretada na sexta-feira por Temer, e tem duração até o fim deste ano. É a primeira do tipo desde a promulgação da Constituição Federal, há 30 anos. O general Braga Netto ficará no comando das polícias Civil e Militar, no lugar de Pezão. 

Militares do Exército já estão presentes nas ruas da capital fluminese neste sábado para garantir a proteção de Michel Temer, desde a sua chegada no aeroporto Santos Dumont até o Palácio Guanabara, no bairro de Laranjeiras, onde se encontrará com o governador Pezão e o general Braga Neto.

Homens do Exército reforçam o policiamento ao lado do Palácio Guanabara, enquanto três militares foram vistos fazendo patrulhamento a pé no entorno do Aterro do Flamengo, na zona sul. Um caminhão e mais militares foram vistos na Praia de Botafogo, também na zona sul. 

Por volta das 11 horas, um blindado estava estacionado em frente à sede do Fluminense Football Club, que é colada ao palácio. De outro veículo, cerca de 20 militares saíram para reforçar o policiamento.

+++ ENTENDA Os principais pontos da intervenção no Rio

De acordo com a assessoria de imprensa do Comando Militar do Leste, a movimentação de tropas é uma manobra prevista na Constituição para garantir a guarda presidencial, e ocorre sempre que o presidente da República se desloca para qualquer Estado. Não se trata, portanto, de um esquema de segurança reforçado, pois o decreto que permite o início das ações de intervenção federal na segurança pública do Estado ainda precisa ser aprovado pelo Congresso.

Ainda segundo a assessoria, a reunião entre Temer, Pezão e o general Braga Neto, nesta sábado, servirá para definir os detalhes da estratégia da intervenção no Estado. Entre as medidas que serão discutidas, afirma a assessoria, está a possibilidade de tropas de outras regiões do País serem deslocadas para auxiliar o efetivo militar do Estado nas tarefas de patrulhamento das ruas da capital fluminense.

+++ Jungmann diz que uso de tropas nas ruas será definido posteriormente

Em meio a tudo isso, a cidade ainda está celebrando o carnaval, com cerca de 30 blocos nas ruas só neste sábado. Policiais militares (PM) fazem o patrulhamento na região central para garantir a segurança dos foliões para o desfile do Bloco das Poderosas comandado pela cantora Anitta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.