Tenente-coronel do Bope vai assumir comando das UPPs

Troca na coordenação das Unidades de Polícia Pacificadora ocorre em meio a crise no principal projeto de segurança da atual gestão

O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2014 | 22h56

RIO - Um ano e quatro meses após ter assumido o comando das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) do Rio, o coronel Frederico Caldas deixará o cargo no fim deste ano e será substituído pelo tenente-coronel Luís Cláudio Laviano, que comandava o Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar.

A troca no comando das UPPs ocorre em meio a uma crise no principal projeto de segurança da atual gestão, iniciado há seis anos no Morro Santa Marta, em Botafogo, na zona sul. Confrontos e denúncias de crimes praticados por policiais tornaram-se frequentes em áreas ocupadas por UPPs.

Caldas havia assumido o Comando de Polícia Pacificadora (CPP) em agosto de 2013, logo após o desaparecimento do pedreiro Amarildo de Souza, torturado e morto por policiais da UPP da Rocinha, segundo investigação da Delegacia de Homicídios e denúncia do Ministério Público do Estado apresentada à Justiça. Um dos policiais presos sob acusação de ter matado Amarildo sob tortura e ocultado o corpo é o então comandante da UPP na favela, o major Edson Santos.

A nomeação do novo comandante das UPPs foi publicada no boletim interno da corporação nesta quarta-feira, 3. Laviano deverá assumir o cargo em janeiro, junto com o novo comandante-geral da PM do Rio, o coronel Alberto Pinheiro Neto, que já comandou o Bope e chefiava a segurança da TV Globo. Caldas voltará a coordenar o setor de comunicação social da PM, cargo que ocupava antes de ir para o CPP. O Rio tem hoje 38 UPPs. Nesta quarta-feira, 4, a base da UPP do Morro dos Macacos, na zona norte, foi atacada e um PM ficou ferido.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro UPP Bope

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.