Disque-Denúncia/Divulgação
Disque-Denúncia/Divulgação

Traficantes roubam 193 motos em depósito na zona norte no Rio

Criminosos tiveram a ajuda da comunidade para tirar os melhores e mais novos modelos; caso aconteceu em 31 de dezembro

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2015 | 08h51

Atualizada às 22h36

RIO  - Traficantes do Morro da Pedreira, em Costa Barros, na zona norte do Rio, roubaram 193 motocicletas que tinham sido rebocadas ou apreendidas e estavam no depósito do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio (Detro) em Coelho Neto, também na zona norte.

Os criminosos invadiram o local por volta de 4h30 de 31 de dezembro, renderam os dois vigias, abriram as portas do pátio e tiveram a ajuda de moradores da comunidade para tirar os melhores e mais novos modelos, de cerca de 3 mil do local. 

O roubo teria sido comandado por Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, apontado como líder do tráfico na região. Uma testemunha contou à polícia que, acompanhado de cerca de 30 homens armados e outros 200 moradores da comunidade - entre eles, mulheres e crianças -, o traficante mandou que os seguranças abrissem os portões e anunciou: “Presente de Natal”. As motos, grande parte sem a chave, teriam sido empurradas.

Nesta quarta, 97 veículos foram devolvidos. Com a repercussão, os traficantes temiam uma operação policial no Morro da Pedreira. A polícia não acompanhou a devolução ou prendeu os responsáveis por entregar as motos. Segundo um investigador da 40.ª DP (Honório Gurgel), os traficantes colocaram moradores para devolvê-las.

O depósito, de responsabilidade da empresa Rodando Legal, contratada pelo Detro, não tem circuito interno de TV. A investigação nos últimos dias foi baseada principalmente em depoimentos. 

Embora o crime tenha acontecido na quarta-feira passada, só na segunda-feira os donos dos veículos souberam do roubo. Em nota, o Detro informou que “todos os proprietários que apresentarem a documentação serão ressarcidos pela empresa de eventuais prejuízos”.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.