Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Unidos da Tijuca faz tributo alegre a Miguel Falabella

Escola de samba trouxe referências às peças, novelas, humorísticos e filmes em que o ator e diretor se envolveu

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2018 | 00h22

RIO - Teatro, cinema, televisão; atuação, direção, dramaturgia. A Unidos da Tijuca abriu a noite na Sapucaí com uma ode aos talentos múltiplos de Miguel Falabella, deixando para trás "as lágrimas de outrora" cantadas em seu animado samba - uma alusão ao carnaval do ano passado, quando um carro da escola desabou na avenida, ferindo doze pessoas. Três vezes campeã desde 2010, a Azul e Amarela acabou em penúltimo lugar por conta do acidente, e agora quer voltar ao topo.

+ Sapucaí tem medidas de segurança para evitar novos acidentes

As referências às peças, novelas, humorísticos e filmes em que Falabella se envolveu estiveram por todo o desfile, aberto com uma viagem à sua infância, na Ilha da Governador, bairro da zona norte do Rio, e às suas leituras de então. O abre-alas foi um mergulho no reino das águas de Monteiro Lobato. Foi uma alegoria de visual impactante, ao contrário de outras, de resultado pouco atraente, como o que representava sua passagem pela crônica jornalística e o d'"O beijo da mulher aranha", que ele adaptou ao teatro brasileiro.

+ Sapucaí hoje verá homenagens e mais protesto

A Tijuca levou muitas alas coreografadas à Sapucaí, o que deu leveza à sua passagem. Fantasias caprichadas de personagens famosos, como o Caco Antibes de "Sai de baixo", que vestiu a bateria (com Marisa Orth de Magda na frente, ao lado da rainha de bateria, a atriz Juliana Alves), as irmãs de luto de "A partilha" e as baianas de noivas defuntas, com direito a coroa de flores a lhes emoldurar a cabeça, de "As noivas de Copacabana", deram ar pop ao desfile. 

+ Três dias de carnaval em SP tiveram público de 4,25 milhões, diz Prefeitura

Falabella veio no último e suntuoso carro, que impressionava pela altura e simbolizava sua relação estreita com o universo do carnaval (ele chegou a assinar um desfile do Império da Tijuca). Exalava entusiasmo e orgulho de sua própria trajetória profissional de mais de 30 anos, e alegria de vê-la contada com graça na Sapucaí. "Eu chorei muito. Foi uma homenagem não só a mim, mas também a quem veio antes de mim", disse, em entrevista à TV Globo, na dispersão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.