Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Veja quem são os PMs mortos em queda de helicóptero no Rio

Quatro policiais militares morreram após a queda de aeronave durante operação policial na Cidade de Deus

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2016 | 19h09

Quatro policiais militares morreram após a queda de um helicóptero da PM durante operação policial na Cidade de Deus, na zona oeste do Rio de Janeiro. Perícia preliminar mostra que PMs e aeronave não foram alvejados. 

Após a queda da aeronave, a PM decidiu ocupar a favela por tempo indeterminado. Após a queda da aeronave, chefes das polícias Civil e Militar se reuniram com autoridades da Secretaria Estadual de Segurança no Centro Integrado de Comando e Controle, no centro do Rio, para uma reunião emergencial. 

Da reunião da cúpula, surgiu a ordem para que durante a madrugada fosse feita uma operação policial na Cidade de Deus, realizada por policiais militares de diversos batalhões.

Com a operação policial, os corpos de sete homens foram encontrados às margens de um brejo, na Comunidade do Caratê, localizado na favela. Segundo o secretário de Estado de Segurança, Robero Sá, não há informações sobre as circunstâncias das mortes de moradores, mas ele garantiu que "nenhum excesso será tolerado e nenhum excesso vai ficar impune."

Conheça os policiais militares que morreram na queda do helicóptero:

Há 13 anos na PM, o capitão Willian de Freitas Schorcht, de 37 anos, pilotava a aeronave. O corpo foi levado para Resende, na região sul fluminense, onde vive a família. Ele foi enterrado no Cemitério Alto dos Passos. 

O subtenente Camilo Barbosa Carvalho tinha 39 anos e estava na PM há 15 anos. O corpo foi enterrado no Cemitério Memorial Parque Nicteroy, em São Gonçalo, no Grande Rio. O velório foi coletivo, com outros dois PMs.

O major Rogério Melo Costa tinha 36 anos. Ele trabalhava na corporação há 17. O corpo foi enterrado no Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, após velório coletivo com o subtenente Camilo Barbosa Carvalho e o terceiro-sargento Rogério Felix Rainha.

O terceiro-sargento Rogerio Felix Rainha tinha 39 anos e prestava serviços para a corporação há 15. Também no velório coletivo, o corpo de Felix foi posteriormente enterrado no Cemitério Jardim da Saudade, em Paciência.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Militar Grande Rio Felix

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.