Copacabana

Estadão

16 Julho 2013 | 12h51


Na próxima semana, o mundo inteiro vai estar de olho em Copacabana por causa da visita do papa Francisco. Por isso, remexemos no nosso álbum para procurar retratos tirados no começo do século passado na praia mais famosa do Brasil. E encontramos fotografias muito interessantes – a maioria de gente supervestida, como os cidadãos de chapéu, terno e gravata fazendo pose acima. Repare também nas construções ao fundo. Antes de a orla carioca ser tomada por prédios, vários casarões pipocavam na frente do calçadão de ondas de pedras brancas e negras. Eles podem ser vistos também nos próximos dois retratos deste post: o da curiosa barraca improvisada e o do casal sorrindo na areia perto de outros banhistas.

 

Localizado na zona sul do Rio, o bairro de Copacabana nasceu em volta da praia em formato de meia-lua e acabou ganhando o apelido de Princesinha do Mar, bem apropriado para o clima glamouroso e boêmio que marcou as décadas de 1930, 1940 e 1950. Mas, até o fim do século 19, a região era quase desabitada. Só existiam ali um forte, uma pequena igreja, alguns sítios e chácaras. Médicos recomendavam o local, ainda isolado do centro do Rio, a convalescentes que precisavam de repouso. Com a inauguração em 1892 do Túnel Velho no Morro de Vila Rica, Copacabana se ligou a Botafogo e, por tabela, ao resto da cidade. Logo, linhas de bonde passaram a chegar ao Forte do Leme e à Igrejinha de Nossa Senhora de Copacabana (que deu lugar ao Forte de Copacabana) e o bairro foi ganhando ruas e casas. Depois de 1906, com a abertura da Avenida Atlântica, surgiram restaurantes, bares, cafés, hotéis, cinemas, lojas e teatros. E Copacabana e seu calçadão de ondas pretas e brancas viraram temas recorrentes de músicas, livros, fotos e pinturas de artistas brasileiros e estrangeiros.

E de onde surgiu esse nome? Às margens do Lago Titicaca, na Bolívia, existe uma cidade chamada Copacabana. Conta a lenda que ali Nossa Senhora apareceu para um jovem pescador, que, para homenageá-la, esculpiu sua imagem, vestiu-a de dourado e a depositou sobre uma meia-lua. Por ser padroeira das águas, muitos navios espanhóis saíam dos portos do Peru e da Bolívia levando cópias da imagem. Uma delas veio parar no litoral carioca e comerciantes espanhóis da antiga freguesia Sacopenapã fundaram a Igreja de Nossa Senhora de Copacabana. Com o tempo, a paróquia cresceu e o bairro abandonou seu antigo nome tupi.

Mas não se pode falar de Copacabana sem lembrar de seu hotel mais famoso: o Copacabana Palace, um dos mais luxuosos e tradicionais cinco estrelas do Brasil. Inaugurado em 1923, ele foi desenhado pelo arquiteto francês Joseph Gire, que se inspirou nas linhas do Hotel Negresco, de Nice, e do Hotel Carlton, de Cannes, para criar as suítes que já hospedaram dezenas de celebridades nacionais e internacionais. Incluindo gente da realeza, estrelas de cinema e teatro, astros da música e dos esportes, políticos e empresários. Mas não, o papa argentino não vai ficar lá. Francisco sairá de uma residência religiosa no Sumaré para encontrar e abençoar jovens em Copacabana no próximo dia 25. Estima-se que 2 milhões de pessoas participarão do evento da Jornada Mundial da Juventude na orla da Princesinha do Mar.

Quer ver mais retratos tirados no começo do século passado em outras praias famosas do Brasil? Não deixe então de visitar os posts Férias em Santos, Paisagens do litoral, Praia do José Menino e Imagens de Caraguatatuba.

E tem fotos da Copacabana ou de outras praias de antigamente guardadas em casa e quer vê-las publicadas gratuitamente no blog? Basta enviá-las para o e-mail blogalbumderetratos@gmail.com com o máximo de informações que tiver sobre a imagem (data, local, nomes dos retratados, curiosidades etc).