Dedicatórias

Estadão

19 Março 2012 | 10h34

Por muito tempo, retratos serviram para mandar breves recados, lembranças e sinais de apreço e amizade para parentes, padrinhos, amigos da família. As crianças maiorzinhas às vezes escreviam a dedicatória de próprio punho, mas também era comum que o pai ou a mãe redigisse a recordação. De praxe, além do nome da criança, constavam sua idade – incluindo “annos e mezes”, no português da época -, e data e local do clique. Numa época em que o Brasil – e sobretudo São Paulo – recebia milhares de imigrantes, muitas das mensagens eram escritas em outros idiomas – italiano, armênio, japonês, árabe, francês -, dependendo da nacionalidade da família.  

Juanita

Por meio de uma dedicatória, é possível saber que a garotinha da foto acima se chamava Juanita e fez essa pose para o fotógrafo H. A. Volk, de Curitiba, em 24 de fevereiro de 1890. 

Já no verso da imagem abaixo, o menino Fernando, de 2 anos, manda “beijinhos ao titio Nicolino”. A fotografia foi tirada em 21 de fevereiro de 1927 no estúdio Vilhegas Phot, como se percebe pelo carimbo seco da moldura.

Menino Fernando, aos 2 anos