Instantâneos

Estadão

06 Julho 2012 | 10h41

Na época em que as câmeras ficaram um pouco mais leves que as primeiras máquinas-caixote, vários fotógrafos profissionais passaram a circular pelas cidades brasileiras registrando instantâneos ou sequências de pessoas em ruas e avenidas. Depois, os ofereciam aos retratados. Eram registros como o do casal Armando e Nene Petrella, que podemos ver abaixo. Foi feito em janeiro de 1932 em uma rua de São Paulo.

Armando e Nene Petrella

 

Já as duas mulheres da próxima foto, levando o garotinho pelas mãos, foram flagradas na Praça do Correio, no centro de São Paulo. Ao fundo à direita, pode ser visto o famoso Edifício Martinelli.
Flagrante na Praça do Correio

 

Esses fotógrafos adoravam captar imagens de pedestres que caminhavam distraídos pelas ruas. Como o do cidadão abaixo, com seu terno, sua gravata-borboleta e seu cigarrinho na boca.

Pedestre anônimo de chapéu e gravata-borboleta

Retrato feito no Viaduto do Chá

E alguns pontos movimentados costumavam ser superdisputados por esses fotógrafos populares. Como o Viaduto do Chá, no centro paulistano. Logo após sua inauguração, em 1938, era grande o número de pedestres elegantemente trajados que transitavam com orgulho pelo novo símbolo do progresso de São Paulo. Um prato cheio, portanto, aos profissionais da imagem.

Na foto abaixo, podemos ver um anônimo cavalheiro de palheta e terno branco de linho passeando na década de 1930. Ao fundo à esquerda, vê-se o edifício-sede do antigo Automóvel Club, demolido para dar lugar ao atual Edifício Conde Prates.

Cavalheiro de terno branco de linho

E você? Também tem em casa algum desses instantâneos e quer vê-lo publicado no blog? Mande pra gente pelo e-mail blogalbumderetratos@gmail.com.