Alice Cooper, pioneiro dos mega shows de rock no Brasil

Alice Cooper, pioneiro dos mega shows de rock no Brasil

Lizbeth Batista

02 de junho de 2011 | 09h57

“Vou tomar cerveja brasileira”. Alice prontamente atendido ao chegar ao país em 1974

Quase quarenta anos depois de se apresentar pela primeira vez no Brasil, Alice Cooper toca  hoje em São Paulo. Se atualmente o artista não causa tanto tanto alvoroço, em 1974 sua turnê  foi o marco dos mega shows de rock, no país. Um dos rock stars mais badalados dos anos 70, Alice veio ao país no auge do sucesso, e encontrou fãs  que  o aguardavam ansiosamente.  A “alicemania” parecia uma febre nacional.

Suas apresentações marcaram a história dos shows de rock no Brasil.  Os  shows em São Paulo e no Rio reuniram  milhares de fãs. O do Anhembi, realizado no Salão de Exposições, teve um público recorde para a época, com relatos que falam de até 158 mil pessoas e muita confusão.

Em São Paulo, gerou alvorosso por onde passou. Fosse por suas bombásticas entrevistas, ou pelo trânsito gerado por milhares de fãs que lotavam as ruas tentando chegar perto do seu ídolo.

Confusão na saída da entrevista de Alice

“Alice Cooper Show” estreiou em São Paulo, no  Anhembi. Em 30 de abril de 74, em torno de 100 mil  pessoas foram ao delírio quando Alice sugiu em meio à  uma nuvem de bolhinhas de sabão, para cantar “Hello Hooray!”, “Billion Dollar Babies”, “I love the Dead” ,  “School’s Out”, entre outras.

No primeiro show em São Paulo, a violência teatralizada no palco foi real na platéia. No Anhembi, assim que o ídolo entrou no palco, os espectadores que estavam mais distantes levantaram-se e tentaram se aproximar da estrutura, os que se encontravam em frente ao palco passaram a ser comprimidos. Para não se machucar mais, as pessoas que estavam na frente começaram a subir no palco, enquanto a policia tentava conter a multidão. O Show foi interrompido.

Fãs lotaram o Salão de Exposições do Anhembi

A ameaça de que Alice não voltaria ao palco foi o bastante para conter seus fãs. O show seguiu, e mais violência, mas só no palco. O Rock star foi eletrocutado, decapitou bonecas e foi guilhotinado, tudo de acordo com o roteiro macabro circense típico do astro. Para marcar o final do show, dos alto falantes no Anhembi ouvia-se “Pra Frente Brasil”, que a platéia cantou em coro, enquanto deixava o local.

Antes de se apresentar no o Philips Monsters of Rock, em 1995, falou ao Estado.

Depois veio ao Brasil , em 2000, com o  espetáculo, British Rock Symphony. Acompanhado   por uma orquestra sinfônica, de 30 músicos e um coral de 10 vozes, Alice ,  Jon Anderson (ex-Yes), Alan Parsons (do Alan Parsons Project) e Tony Hadley (ex-SpandauBallet), apresentaram  clássicos do rock.

Na sua última passagem por aqui, contou ao Estado sobre sua paixão, o golf.  Como verdadeiro entusiasta do esporte lançou até um livro, onde conta como pratica suas tacadas com os amigos Lou Reed, Iggy Pop, Neil Young, Michael Douglas e Bob Dylan.

Na entrevista , lembrou os shows que realizou no país em 1974. “Foi uma das coisas maismaravilhosas de minha carreira.  Não esperávamos tanta gente.  Teve até umpessoal que veio me procurar pensando que eu fazia macumba.”

Revelou-se particularmente contente com a data escolhida para o seu show “Que ótimo, sou um cara muito romântico.  A noite então será especial”.  A apresentação, foi num Dia dos namorados, em 12 de junho de 2007.

..

 Pesquisa  e texto: Lizbeth Batista

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Tudo o que sabemos sobre:

1974Alice CooperMúsicaRock

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: