Anos de chumbo em exposição no Arquivo Nacional

Anos de chumbo em exposição no Arquivo Nacional

Luiz Rangel

27 Abril 2011 | 09h09

Memórias reveladas

Nunca é demais lembrar. O conturbado cenário político do Brasil dos anos 60 aos 80 produziu uma vasta documentação histórica que denúncia os abusos de um regime autoritário, a violação dos direitos humanos e a censura de artistas e imprensa pelos aparatos de repressão instituídos durante a ditadura militar.

Para resgatar, preservar e disseminar a memória das lutas políticas pela democratização do país foi criado, em  2009, o projeto Memórias Reveladas. Trata-se de um banco de dados que integra os acervos do Arquivo Nacional aos conteúdos arquivísticos custodiados por diferentes entidades com foco no mesmo tema. Composto por cerca de 400 mil itens, destacam-se documentos produzidos pelo Serviço Nacional de Informações (SNI), pelo Destacamento de Operações de Informações-Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), serviços de censura, e por outras entidades públicas e privadas de relevância.

Desde 4 de abril uma parte desta documentação, incluindo o famoso Ato Institucional AI-5, está na exposição Registros de uma guerra surda, que vai até 26 de agosto, no próprio Arquivo Nacional, no Rio. Um dos cinco módulos da exposição visa justamente divulgar os textos, imagens e peças museológicas disponíveis no banco de dados online do projeto Memórias Reveladas.

Texto: Luiz Rangel

Registros de uma guerra surda
Praça da República, 173, Centro, Rio de Janeiro – (21) 2179-1273 – pi@arquivonacional.gov.br
Horário: 08h30  às 18h
Entrada franca