Deputado americano criticava o preço do café brasileiro, em 1911

Deputado americano criticava o preço do café brasileiro, em 1911

Lizbeth Batista

28 Abril 2011 | 13h08

Na sessão Notas do Exterior o Estado publicava, em 28 de abril de 1911, um telegrama  vindo da capital americana.

A nota falava do protesto de um deputado americano na Câmara dos Representantes, em Washington. Reclamando do preço do café brasileiro no mercado americano, propunha mudanças na lei alfandegária.

Sexta-feira, 28 de abril de 1911

Em 1911, o Brasil era o maior produtor mundial de café.

O país detinha monopólio sobre o mercado do produto. Era responsável por um terço da produção mundial, e mantinha uma política econômica que atendia a esse propósito.

Em 1906, o governo brasileiro instituiu o Convênio de Taubaté.

Dentro desse programa, o governo comprava os excedentes da produção cada vez que a demanda pelo produto caía, assim, controlava as variações do preço do café.

Para comprar o excedente o governo contraía empréstimos no exterior, e cobrava uma taxa sobre as sacas de café exportadas para pagar os juros desses empréstimos.

Essa política assegurou o lucro dos cafeicultores durante toda a primeira década do século XX.  Mas mostrou suas limitações nos anos trinta.

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo e facebook/arquivoestadao