Em 1911, governo incentivava a pecuária nacional

Em 1911, governo incentivava a pecuária nacional

Lizbeth Batista

06 de junho de 2011 | 17h29

Publicada no Estadão de 06 de junho de 1911, uma nota trazia boas notícias para criadores de animais do Estado de Minas Gerais. Informava que a União realizaria compras no exterior para os interessados em introduzir animais reprodutores no seu rebanho, mediante deposito no Tesouro Nacional.

Terça-feira, 06 de junho de 1911

O ministro da agricultura, Pedro de Toledo, também informou que o governo subsidiaria o transporte até o Rio de Janeiro, de animais vindos da América do Norte, da América do Sul e da Europa.

Na mesma edição, imagens mostravam os avanços da pecuária no Triangulo Mineiro.

O cruzamento da raça “creoula” com a raça indiana Zebu era colocado em discussão. Muitos eram os agrônomos favoráveis à mistura. Alegavam que as novas raças indubrasileiras, assim originadas, seriam responsáveis por um aumento na produção de leite e carne.

Já em 1911, criadores desenvolveram um trabalho de promoção das raças, realizando sua primeira exposição.

O empreendedorismo de pecuaristas brasileiros é responsável por firmar as raças zebuínas no agronegócio nacional. No final do século XX, criadores uniram esforços para importar o gado da Índia. Em 1919, começavam as as atividades do “Herd Book da Raça Zebu” ou ABCZ , Associação Brasileira de Criadores de Zebu. Sediado no triângulo Mineiro, a associação assegura a origem das crias dos animais importados.

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo e facebook/arquivoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: