Camorra no banco dos réus em 1911

Camorra no banco dos réus em 1911

Lizbeth Batista

07 Abril 2011 | 11h19

Sexta-feira , 07 de abril de 1911

, o Estado acompanhou o julgamento dos camorristas implicados nos assassinatos de Genaro Cuocolo, e de sua esposa, Maria Cutinelli Cuocolo.  As vítimas também eram integrantes da famosa organização mafiosa de Nápoles, a Camorra.

A foto do julgamento, com os réus enjaulados, era o grande destaque da edição de cem anos atrás.

O caso Cuocolo despertou grande interesse. Telegramas freqüentes chegavam da Itália, trazendo novas informações sobre o caso.  O jornal cobriu todo o processo crime, da acusação até o veredicto do julgamento, que levou à condenação 27 membros da Camorra, em 1912.

.

O Estado de S.Paulo 06/04/1911

Os crimes foram cometidos em 1906, mas seu processo foi longo. Os tramites legais e as investigações, que revelavam cada vez mais novos envolvidos no caso, atrasaram o início do julgamento para 1911.

Suspeitas sobre o envolvimento de membros do judiciário de Nápoles com a Camorra levantaram dúvidas sobre a legitimidade de um julgamento realizado naquela jurisdição.  O julgamento, então, foi transferido para a Corte de Assise, em Viterbo.

Sem precedentes, o Julgamento de Viterbo teve 47 réus e 600 testemunhas , e foi o primeiro julgamento em massa realizado na Itália. Os acusados além de responder por seus crimes individualmente, responderam por associação com uma organização criminosa.

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista
Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao