Em 5 meses, ditadura definiu pela impunidade da morte de Vladimir Herzog

Em 5 meses, ditadura definiu pela impunidade da morte de Vladimir Herzog

Anna Carolina Papp

29 Março 2012 | 18h43

Foram necessários apenas 5 meses para que os militares sepultassem o inquérito e não punissem ninguém pela morte do jornalista Vladimir Herzog, ocorrida em 25 de outubro de 1975. Em março de 1976, a 1ª Auditoria Militar arquivava o caso, apesar das evidências do assassinato. Quase quatro décadas depois, a falta de punição será investigada pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), órgão da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Acompanhe a cobertura do caso feita na época.

O Estado de S. Paulo 10/3/1976

O Estado de S. Paulo – 20/12/1975

O Estado de S. Paulo – 20/12/1975

O Estado de S. Paulo – 29/10/1975

O Estado de S. Paulo – 28/10/1975

Pesquisa: Carlos Eduardo Entini e Edmundo Leite
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo | facebook/arquivoestadao | Instagram