Festa e rebelião no aniversário da República Portuguesa

Festa e rebelião no aniversário da República Portuguesa

Lizbeth Batista

06 Outubro 2011 | 09h06

Sexta-feira, 06 deoutubro de 1911

Comemorando um ano de vida, a República Portuguesa estava em festa e também em perigo.

O jornal trazia telegramas que contavam como transcorreram os festejos em Portugal e tratavam da incipiente rebelião na região norte.

As celebrações só não foram mais animadas por conta do mau tempo e da tentativa de um levante contra o governo republicano português.

Telegramas enviados da região do Porto falavam do levante de forças monarquistas numa tentativa de insurreição militar na região.

 

 

A invasão monarquista, chefiada por Henrique Mitchell de Paiva Couceiro era apenas obstáculos enfrentados pelo, relativamente, novo governo democrático de Portugal.  Suas dissensões internas formavam grande entrave para o pleno estabelecimento de suas novas  instituições .

Sua política, naquele momento, de aberto ataque ao monarquismo e perseguição à igreja tornava o impopular entre grande parcela da sociedade lusitana. Medidas como a expulsão de ordens religiosas do país, confisco de suas propriedades, a extinção do ensino religioso nas escolas primárias; faziam crescer as fileiras da oposição.

 

Pesquisa  e texto: Lizbeth Batista

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

1911Portugal