Há 10 anos, Demóstenes Torres era promessa de renovação

Há 10 anos, Demóstenes Torres era promessa de renovação

Edmundo Leite

29 de maio de 2012 | 15h47

Quando desbancou favoritos e foi eleito senador por Goiás dez anos atrás, o senador Demóstenes Torres, que depôs no Conselho de Ética do Senado por causa das denúncias de envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, figurava como uma das promessas de renovação do quadro político no sempre desprestigiado Congresso Nacional.

A reportagem do enviado especial a Goiânia, João Unes, o apontava como o fenômeno eleitoral e dizia que ele unia três qualidades que foram essenciais para a vitória nas urnas: a novidade, a competência e a honestidade.

Acervo Estadão  – 13/10/2002

“O eleitor conhece meu passado”, dizia Demóstenes, cuja trajetória  e “passado limpo” eram apresentados na mesma página que outras novidades eleitas pelo País.

A reportagem terminava com o jovem político dizendo que que o fato de ser novato não o intimidaria em sua atuação no Senado e  que prometia priorizar projetos na área de segurança. “O que importa é que o eleitor teve empatia com minhas propostas e isso me traz grande responsabilidade.  Estou me preparando com um grande arsenal para não decepcionar o eleitor.”

Pesquisa e Texto: Edmundo Leite
Siga o Acervo Estadão: twitter@estadaoarquivo | facebook/arquivoestadao | Instagram