Há 30 anos, Brasil se despedia de Elis Regina

Lizbeth Batista

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Restam 4 de 5 matérias gratuitas no mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar a partir de R$1,90

Jornal da Tarde – 10/5/1974

Foi numa manhã de terça que o Brasil perdeu Elis Regina. Aos 36 anos de idade, ela sofreu uma parada cárdio-respiratório, provocada por uma mistura letal de álcool e cocaína, e não resistiu.

Dona de uma voz poderosa, de uma presença de palco solar e de uma interpretação comovente que transbordava de sentimento, é ícone inquestionável e lenda.

No aniversário de sua morte, as páginas do jornal remontam alguns dos momentos memoráveis da sua carreira e trazem curiosidades, confessadas em entrevistas, como seus gostos e desgostos da famosa apimentada, de sorriso largo e gargalhada viva, que virava os olhos quando brava.

Jornal da Tarde, 03/10/1975

O Estado de S.Paulo – 20/9/1980

Jornal da Tarde – 19/7/1981

A notícia da morte da Pimentinha – apelido carinhoso que a cantora gaúcha recebeu por sua personalidade forte, traço evidente em suas entrevistas – deixou o país perplexo e de luto.

O Estado registrou esse momento de comoção e pesar. O Brasil parou e, como em romaria, prestou homenagem à cantora. Milhares de fãs seguiram o corpo de Elis em carreata pela cidade de São Paulo.

Em São Paulo, milhares de pessoas vão ao velório da cantora Elis Regina, no Teatro Bandeirantes, 19/01/1982.

O sorriso largo, mas tímido, de Elis Regina durante uma entrevista Arquivo/AE

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo e facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Siga o Estadão