Há cem anos, Academia recusava renúncia de Ruy Barbosa

Há cem anos, Academia recusava renúncia de Ruy Barbosa

Lizbeth Batista

07 de maio de 2011 | 09h43

Foto: Arquivo OESP

Ruy Barbosa, o Águia de Haia, e uma das  mentes mais brilhantes  de seu tempo, não julgava-se  em 1911, por falta de tempo, em condicoes de continuar a exercer a presidência da Academia Brasileira de Letras. Em carta,  renunciou ao seu posto junto aos imortais, como mostra a notícia na capa do Estado de 07 de maio.  A renúncia não foi aceita pelos membros da Academia, e ele permaneceu na presidência  da instituição até 1919.

Domingo, 07 de maio de 1911

Na sua carta de renuncia, o ilustre sócio fundador alegava que suas outras atividades – era Senador da República e também escrevia para órgãos de imprensa – não permitiam que ele empregasse o devido tempo às funções de presidente da Academia.

Ruy Barbosa era um líder político ativo. Exercia uma oposição vigilante, sempre atento aos desvios de conduta, e aos crimes cometidos pelos homens públicos do país. Denunciando, no Senado e na imprensa, as arbitrariedades do governo Hermes.

Veja também:

A “Oração aos Moços”, de Rui Barbosa: 90 anos

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo e facebook/arquivoestadao


 

 

 


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: