Há um século, era lançada autobiografia de Wagner

Há um século, era lançada autobiografia de Wagner

Lizbeth Batista

28 de maio de 2011 | 09h44

A edição de 28 de maio de 1911 do Estado trazia uma boa notícia para os fãs do grande compositor alemão, Richard Wagner.  Sua autobiografia, “Minha vida”, acabava de ser publicada, em 2 volumes.

Domingo, 28 de maio de 1911

As memórias levaram anos para ficar pronta, e mais alguns para serem publicadas. O compositor contou com a colaboração da “sua esposa e amiga”, para quem ditava suas lembranças e impressões.

A narrativa começa em 1813, com o nascimento de Wagner, em Leipzig. Termina em 1864, quando Wagner, então um reconhecido compositor, encontra-se com o rei Ludovic II, da Baviera.

Conta a agitada vida do compositor, passando por episódios como a passagem de Napoleão por Leipzig, revela a admiração provocada pelo encontro com o compositor romântico, Carl Maria Von Weber, quando Wagner era ainda um menino. Traz alguns relatos sobre o convívio com a nobreza européia, num trecho curioso, conta uma conversa com os monarcas ingleses, revelando uma faceta espirituosa da rainha Vitória.  Até os bichos de estimação do compositor, o cachorro Pepo e o papagaio Papo, estão nas 886 páginas da biografia.

A obra tem uma forte carga pessoal. Os episódios que traçaram sua vida são revelados através da percepção do músico, e deixam claro como Wagner sempre buscou espaço para arte.

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo e facebook/arquivoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: