Morre Rodin, o artista que deu alma ao bronze

Morre Rodin, o artista que deu alma ao bronze

rosesaconi

17 Novembro 2011 | 09h09

Estadão, 18 de novembro de 1917

“O nome deste esculptor domina toda a história da esculptura contemporânea da França e é talvez o do mais notável representante da arte franceza do seu tempo. A sua obra, discutida com vehemência no seu paiz e no estrangeiro, só é comparada pelos seus admiradores ás formidáveis criações de Miguel Angelo…”

Auguste Rodin, o mais famoso escultor do final do século 19, morreu no dia 17 de novembro de 1917. Para o artista francês, a arte deveria materializar as emoções, os sentimentos e não só reproduzir uma realidade. Rodin sempre quis imprimir no bronze os diferentes estados da alma.

O Pensador, um ícone da arte mundial. Escultura retrata o poeta Dante Alighieri imerso na criação da Divina Comédia.

Junho/1995

Foto: Nelson Almeida/AE

O Gênio do Repouso Eterno, exposição com 58 bronzes de Rodin, na Pinacoteca de São Paulo. Horas na fila para visitar a mostra.

Pesquisa e Texto: Rose Saconi
Tratamento de Imagens:
José Brito

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

1917ArteAuguste Rodin