Obrigado, Steve

Obrigado, Steve

Edmundo Leite

05 Outubro 2011 | 21h43

Steve Jobs e a Apple já eram notícia desde o fim dos anos 70. Mesmo com o atraso brasileiro em questões tecnológicas, por causa de uma lei de informática que proibia a importação de equipamentos, na década seguinte Jobs protagonizou, por várias vezes, o noticiário de informática e tecnologia.

Em outubro de 1988, ele era chamado de “gênio de computadores” numa notícia em que mostrava ao mundo o seu mais recente lançamento, o Next. “Isso servirá não apenas como a ferramenta tecnológica mais avançada, mas como um parceiro do pensamento”, disse Jobs numa première classificada como “digna de Hollywood”.

Rápido e com grande capacidade de armazenamento, o Next tinha como principal inovação um disco ótico que podia ser apagado. Era o começo da materialização do sonho manifestado quatro anos antes. “Hoje, o computador é um serviçal. Ele espera que lhe digam o que fazer. Penso num verdadeiro guia, que sugira coisas, que quase tenha ideias.”

O Estado de S. Paulo – 26/10/1984

Anos depois, Jobs também faria fortuna com os desenhos animados da Pixar.

O Estado de S.Paulo – 05/12/1995

O Estado de S.Paulo – 17/9/1997
 

O Estado de S. Paulo –  30/1/2006

O Estado de S.Paulo – 15/1/ 2007


O Estado de S.Paulo – 29/8/2008

O Estado de S.Paulo – 10/9/2008

O Estado de S.Paulo – 15/1/2009

O Estado de S.Paulo – 05/1/2009

Pesquisa e texto: Lizbeth Batista e Edmundo Leite

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

AppleSteve Jobs