Olga Moraes Sarmento era recebida com aplausos

Olga Moraes Sarmento era recebida com aplausos

Lizbeth Batista

04 Outubro 2011 | 09h14

A edição do jornal informava sobre a visita da escritora e feminista portuguesa, Olga de Moraes Sarmento.

Nascida em Setúbal, Portugal, Maria Olga de Moraes Sarmento da Silveira foi uma intelectual portuguesas, conhecida por sua luta pelos direitos cívicos, legais e políticos das mulheres, oi uma  grande teórica do feminismo do início do século XX. Além da militância exercida América Latina como conferencista.

Quando no Brasil apresentou sua conferencia “A mulher na actualidade”, seus principais temas foram tratados em matéria do Estado de 04 de outubro de 1911

Quarta-feira, 04 de outubro de 1911

Falando sobre o papel da mulher na sociedade em 1911, a conferencista derrubou preconceitos ao exemplificar com grandes nomes a valorosa atuação das mulheres na produção intelecutual e científica do período, e de tempos passados.  Citando exemplos mostrou que “a mulher póde substituir o homem, em todos os ramos de sua actividade, havendo, portanto, equiparação de capacidade, apesar do homem pretender, forçando a razão, pôr em plano inferior a capacidade moral e intellectual da mulher.”

Eloqüentemente explicou as demandas femininas por igualdade civis e sociais preocupando-se em corrigir o pensamento errado de que as feministas “pretendem inverter na família, o papel que lhes é destinado”. Ressaltou o importante papel da mulher na formação da psique infantil, tanto como mãe, quanto como educadora.

Defendendo a idéia de que a educação seria o primeiro passo para emancipação feminina, afirmou que “a mulher só necessita instruir-se e emancipar-se da sua ignorância, para poder collocar-se no mesmo nível do homem e tornar-lhe suave a existência na luta pela vida.” A educação possibilitaria, às mulheres, conquistar os meios para entrar no “regimen conjugal não como uma mendiga, mas como uma collaboradora do homem, prompta a auxilial-o na obra do trabalho e na vida dos affectos.”

Encerrou sua aclamada conferência com um pedido aos pais.

Pesquisa  e texto: Lizbeth Batista

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

1911FeminismoOlga de Moraes Sarmento