Porfírio Díaz vencido

Porfírio Díaz vencido

Lizbeth Batista

20 de maio de 2011 | 11h11

A renúncia de Porfírio Díaz era anunciada na edição de 20 de maio de 1911.

A nota revela alguns dos momentos finais do governo do general Díaz. Comenta como o octogenário chefe de estado , outrora  forte e bem disposto, naquele momento parecia “alquebrado” .

Sabbado, 20 de maio de 1911

Após oito meses de combate, as forças do governo federal do México não resistiam aos ataques dos revolucionários.

Enquanto o exército mexicano encontrava-se enfraquecido, carente de homens e armas, a perda de apoio popular ao governo Díaz fazia crescer o número de homens nas fileiras dos exércitos rebeldes.

Após infrutíferas tentativas de restabelecer a ordem na região norte do México, e sem conseguir conter as forças rebeldes comandadas por Pancho Villa, Emílio Zapata e Francisco Madero, o presidente mexicano viu-se forçado a deixar a batalha e oferecer sua renúncia.

Assim, os rebeldes obtinham sua primeira grande vitória, em 21 de maio de 1911 era assinado o Tratado de Juarez.

O acordo assegurava o fim das batalhas entre as forças lideradas de Madero e o exército federal. Também determinava o afastamento do presidente Porfírio Díaz e de Ramon Corral, vice-presidente. Dias após a assinatura do tratado, Díaz apresentou sua renúncia ao congresso e partiu para o exílio, na França.

Pesquisa e Texto: Lizbeth Batista
Siga o Arquivo Estadão: twitter@estadaoarquivo e facebook/arquivoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: