Restauradora de Borja teve antecessor brasileiro

Restauradora de Borja teve antecessor brasileiro

Edmundo Leite

24 Agosto 2012 | 18h29

O caso da espanhola Cecília Giménez, que ganhou fama mundial após a sua tentativa de restauração de uma pintura de Cristo numa igreja da cidade de Borja se espalhar na internet, tem um antecedente brasileiro. Em 1999, um carpinteiro contratado para construir uma passarela na Gruta das Araras, patrimônio arqueológico repleto de pinturas pré-históricas localizado na cidade goiana de Serranópolis, resolveu dar seu toque pessoal no conjunto de arte rupestre datado de 11 mil anos. A história foi contada pela repórter Angélica Wiederhecker na revista Isto É:

“… Contratado pela Fundação Pró-natureza (Funatura) para construir uma passarela de madeira na gruta para manter os turistas longe do paredão, o carpinteiro Primo Perin deixou-se incorporar pelo espírito artístico dos antepassados. Após limpar uma pichação, Primo entusiasmou-se e aproveitou para retocar o painel pré-histórico. Deu tratos à bola antes de deduzir que o índio primitivo teria usado seivas vegetais para pintar. O carpinteiro afirma ter usado extratos de árvores para reavivar os traços dos desenhos. Crente de que estava cometendo uma boníssima ação, foi além, acrescentando novos elementos ao painel, num total de mais de 20 interferências.

Achou a lagartixa primitiva meio esquisita e não hesitou em equipar-lhe com dois pares de patinhas novas em folha. Ele ainda compôs um novo painel de sua própria lavra ao lado do original, inspirado nos traços indígenas. …”

 

Isto É – 1558 – 11/8/1999

Pesquisa:  Edmundo Leite

# Acervo Estadão
# Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram | # Assine

Mais conteúdo sobre:

arqueologiaBorja [Espanha]