Sócrates poderia ter sido ídolo palmeirense. Foi ídolo de todos

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Sócrates poderia ter sido ídolo palmeirense. Foi ídolo de todos

Edmundo Leite

04 de dezembro de 2011 | 14h57

Como seriam nossas vidas se as coisas tivessem acontecido de outra maneira em determinados momentos cruciais?  A questão eternamente sem resposta pode ser refeita neste domingo em que o futebol perdeu um de seus maiores talentos.

Desde que despontou no Botafogo de Ribeirão Preto em 1974, vários times grandes tentaram contratar o estudante de medicina que fez da bola o seu ofício, sua arte.  Palmeiras, Santos, Portuguesa, Fluminense tentaram levar  Sócrates para seus times. Com seu incontestável talento, é provável que a trajetória de sucesso continuasse em qualquer clube. Mas foi no Corinthians que tudo aconteceu. Para sorte dos demais torcedores, havia a seleção brasileira para torcer por Sócrates sem pudor de externar a admiração pelo ídolo alheio.

Jornal da Tarde – 13/10/1975

Jornal da Tarde – 13/8/1974


O Estado de S.Paulo – 15/9/1974

Jornal da Tarde – 29/11/1974

O Estado de São Paulo – 29/11/1974
 

O Estado de S.Paulo – 01/12/1974

O Estado de S. Paulo – 05/12/1974

Pesquisa e texto: Edmundo Leite
Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: