Um povo apaixonado por cerveja

Um povo apaixonado por cerveja

Lizbeth Batista

10 Outubro 2011 | 09h16

 

Poster de cerveja alemã, 1910

Um problema tirava o sono do povo alemão.

Seria a guerra Ítalo-turca e os efeitos desta nos Bálcãs? Talvez fossem as complicações diplomáticas que um conflito entre Itália e Turquia geravam para a Alemanha, tanto nas relações com as demais potências europeias, como na relação com o Império Otomano?  Ou, então, seria  a disputa por áreas de influência na África, com o desfecho da crise no Marrocos ainda por vir?

Nada disso. O problema era a cerveja, assunto da mais alta seriedade em todo território alemão.

Terça-feira, 10 de outubro de 1911

 

Clique aqui para ver no Acervo

 

Sob o título de “Liga de combate contra a pouca bebida”, alemães uniam-se para brigar pelo direito de ter mais cerveja no copo.

O Estado publicou o caso no mesmo mês de uma da famosa festa alemã, a  Oktoberfest de Munique.

A matéria trazia alguns números e esclarecia a importância da questão, “na Allemanha, basta saber que em Berlim cada habitante consome em media 225 litros de cerveja, em Munich 266, e que a classe operaria emprega em cerveja 25 por cento das suas despesas diárias. Além disso, são numerosíssimas.

Em 1911, os alemães tinham assegurado pelo Tribunal Superior o direito de escolha sobre uma questão muito subjetiva. Respaldados pela lei, decidiam se era com ou sem “colarinho”.

Pesquisa  e texto: Lizbeth Batista

Siga o Arquivo Estadão: Twitter@arquivo_estadao e Facebook/arquivoestadao

Mais conteúdo sobre:

1911AlemanhaCerveja