Atraso na entrega de remédios prejudica o tratamento de pacientes transplantados
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Atraso na entrega de remédios prejudica o tratamento de pacientes transplantados

Ministério da Saúde informa que concluiu o pregão para a compra do Entecavir, sendo a previsão de entrega para a primeira quinzena de junho; nova remessa do remédio Tracolimo 1 Mg, que também está em falta, deve chegar a SP ainda nesta semana

Renata Okumura

16 de maio de 2019 | 13h27

SÃO PAULO – A falta de medicamentos na Farmácia de Alto Custo de Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo, e na Farmácia Estadual de Medicamentos Especiais (RioFarmes), no Rio de Janeiro, deixa pacientes transplantados preocupados. Muitos ficam por anos na fila de espera para conseguir realizar um transplante. Após conseguirem, precisam manter tratamento para evitar a rejeição do órgão transplantado. No entanto, a falta de medicamentos de alto custo coloca em risco à saúde deles.

Transplantado de rim, Luiz Marques está indignado com o descaso das autoridades de saúde. Ele faz uso do Tracolimo 1 mg, remédio de alto custo que está em falta há mais de um mês. “Nós, transplantados, fazemos uso desse medicamento. Há mais de um mês, estou sem tomar e corro o risco de perder o órgão transplantado, pois esse medicamento deixa nosso organismo com a imunidade baixa para não perder o enxerto”, afirmou Marques.

“Não tem esse medicamento na Farmácia de Alto Custo de Guarulhos. O Estado deveria se organizar melhor para não faltar o remédio que tanto precisamos”, reforçou ele.

Foto: Pixabay

O Ministério da Saúde informa que enviou a São Paulo, em abril, a quantidade de doses solicitadas pelo Estado para o segundo trimestre de 2019, de 1,6 milhão de unidades do medicamento Tacrolimo 1 mg. No entanto, o número foi corrigido posteriormente.

“Também em abril, a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo retificou a programação para o total de 7,3 milhões de unidades. Assim, para atender a nova demanda do Estado foi solicitada a antecipação de entrega junto ao fornecedor. Foram entregues 2 milhões de comprimidos no dia 7 de maio, e o restante (3,7 milhões) tem previsão de entrega ainda nesta semana”, explicou em nota.

Paulo de Carvalho fez um transplante de fígado e tem hepatite B. Ele depende do uso contínuo do medicamento Entecavir que já está em falta há mais de um mês na Rio Farmes. “Para os paciente em tratamento, a falta do medicamento pode causar um transtorno muito grande, pois a interrupção pode comprometer o enxerto. A hepatite B pode causar hemorragia do esôfago, encefalopatia, cirrose, câncer de fígado e levar a óbito. Dependo deste medicamento que está em falta há mais de um mês”, disse Carvalho.

“Fui informado que o remédio foi comprado em 21 de março, mas demora 60 dias para a distribuição ser feita. Absurdo. Deveria programar com mais antecedência, visto que o tratamento é contínuo”, reforçou ele.

A Superintendência de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos da Secretaria Estadual de Saúde do Rio informa que o medicamento Entecavir é fornecido pelo Ministério da Saúde e que a secretaria aguarda a chegada de nova remessa.

O Ministério da Saúde informa que concluiu o pregão para a compra do medicamento Entecavir, sendo a previsão de entrega pelo laboratório para a primeira quinzena de junho.

“Até que se regularize a entrega, o Ministério da Saúde orientou as secretarias de saúde dos Estados quanto às alternativas ao tratamento, como o Tenofovir ou Lamivudina, disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), dependendo da condição clínica de cada paciente”, destacou em nota.

RELEMBRE: No ano passado, pacientes com câncer também tiveram tratamento prejudicado pela falta de remédios.

Pacientes reclamam de falta de medicamentos na Unidade Dispensadora Tenente Pena Foto: Renata Okumura

Vera Ferreira mora na zona norte da cidade, porém todos os meses precisa se deslocar para uma unidade de saúde indicada pela secretaria estadual para retirar medicamentos de alto custo que usa para o tratamento de câncer. Por duas vezes, a paciente conseguiu retirar tranquilamente os remédios, mas na terceira vez teve uma surpresa desagradável e preocupante ao chegar a Unidade Dispensadora Tenente Pena, que fica na Rua dos Italianos, 506, no Bom Retiro, na região central de São Paulo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: