Moradores da zona leste cobram limpeza em terreno da Petrobrás
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Moradores da zona leste cobram limpeza em terreno da Petrobrás

Estatal informa que serviço já foi realizado no local

Renata Okumura

15 Janeiro 2018 | 14h58

SÃO PAULO – Moradores da Rua Doutor Paulo Queiroz, em São Mateus, na zona leste da cidade, reclamam de um terreno da Petrobrás que raramente é limpo pela empresa.

Segundo relatos, o mato alto atrai lixo, doenças e moradores de rua.

Terreno da Petrobrás Foto: Moradora Ana Cláudia

“Minha casa faz muro com este terreno, mas acontece que temos que implorar para que a Petrobrás faça a manutenção de limpeza e corte do mato que por ali cresce e serve de moradia para ratos, lixo, baratas, aranhas e agora também moradores de rua. Em alguns trechos, o mato está mais alto que o muro ao lado”, ressaltou a moradora Ana Cláudia.

Lixo descartado em área da Transpetro Foto: Renata Okumura

A moradora também acrescenta o receio em sair, principalmente à noite. “Outro agravante é que este terreno faz divisa com a Praça Nildo Gregório, tornando o início da rua em um espaço enorme, onde há muitos usuários de drogas e assaltos constantemente no cruzamento da Avenida Aricanduva”, disse ela.

Petrobrás esclarece que a limpeza no terreno já foi realizada.

+++ LEIA TAMBÉM: Moradores afirmam que terreno da Transpetro está abandonado

Um terreno da Transpetro localizado na Rua Terra Brasileira, na altura do número 22, no bairro Cidade AE Carvalho, na zona leste de São Paulo, está completamente abandonado, segundo relato de moradores. No local, a reportagem constatou a presença de mato alto e também de muito entulho. Restos de comida e de bebidas que atraem, inclusive, a presença de muitos pombos, além do cheiro ruim que predomina nas proximidades.

Moradores ressaltam que muitos estudantes aproveitam que o espaço está abandonado para consumir drogas e bebidas alcoólicas. “A área hoje está sujeita ao risco de assalto e ao uso de drogas porque está totalmente abandonada. Não tem serviço de limpeza”, reforçou o morador Carlos José Alves.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.