Pacientes ficam sem insumos para diabetes em UBS da zona sul
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pacientes ficam sem insumos para diabetes em UBS da zona sul

Em nota à reportagem, Secretaria Municipal de Saúde informa que a unidade médica da Vila Monte Alegre já foi reabastecida

Renata Okumura

25 Outubro 2017 | 10h00

SÃO PAULO – Paciente da Unidade Básica de Saúde (UBS) Parque Imperial-Prof. Manoel Antônio Silva Saragoça, localizada na Vila Monte Alegre, na zona sul da cidade, não disponibiliza kit para diabete desde o início deste ano.

“Não recebemos todos os itens necessários para a monitorização dos índices glicêmicos. Tem vezes que não tem agulhas e outras vezes não tem tiras”, relata José Donizetti que é diabético. Ainda segundo ele, em 2016 já enfrentava este problema.

A Coordenadoria Regional de Saúde (CRS) Sudeste esclarece que a Unidade Básica de Saúde (UBS) Parque Imperial-Prof. Manoel Antônio Silva Saragoça foi reabastecida com insumos para diabetes e dispõe de seringa, lanceta e caixa perfuro cortante para retirada dos pacientes.

Pacientes reclamam de falta de medicamento na Foto: Renata Okumura

Na rede municipal de saúde, as queixas da população continuam ligadas à falta de insumos para pacientes com diabetes. “Não estão sendo entregues com regularidade desde outubro de 2016. Este ano, minha filha recebeu uma única vez as tiras para a dosagem de glicose, que duraram um mês e meio”, relatou Anelise Magalhães que é mãe de uma criança com diabete tipo 1. Ela se refere à Unidade Básica de Saúde (UBS) Dr Humberto Pascale, localizada na Rua Vitorino Camilo, 599, no bairro Santa Cecília, também na região central da cidade. Fiquei sabendo que as fitas chegaram, mas acabaram em três dias. Minha filha depende deste monitoramento para evitar as complicações da doença, reforçou a mãe.

UBS da Vila Monte Alegre. “Em relação às tiras reagentes, uma nova compra já foi realizada pela pasta e a previsão é que a situação seja normalizada em breve. Existe uma quantidade disponível na unidade, que está sendo disponibilizada de forma igualitária aos pacientes que integram o Programa de Automonitoramento Glicêmico. Vale ressaltar que a UBS se colocou à disposição dos usuários que desejarem fazer o monitoramento direto na unidade”, reforçou a nota.

A pasta ainda informa que a falta de medicamentos e insumos no início deste ano ocorreu porque, a partir de setembro de 2016, as compras foram reduzidas drasticamente.

Em janeiro deste ano, houve a retomada dos processos de compras para regularizar a situação dos estoques, porém com a alta demanda reprimida, as compras programadas foram rapidamente consumidas e foi preciso tempo para regularizar a situação.

Atendimento Hora Certa

O morador Luiz Leitão se queixa do atendimento do sistema de exames clínicos e consultas Hora Certa da prefeitura. “De hora certa não tem nada, porque mandam os pacientes chegar com meia hora de antecedência, mas atrasam uma hora, no mínimo, além daquela meia hora de antecedência. Quando chove, segundo os funcionários, os pacientes ficam sob um toldo e se locomovem sob guarda-chuvas até os contêineres.”, reclamou ele.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo esclarece que a unidade Hora Certa Móvel Lapa é composta por profissional médico com equipe assistencial completa, com enfermeiro, técnico em enfermagem e auxiliar administrativo.

“Os laudos dos exames são disponibilizados no mesmo dia, em até 20 minutos, como foi o caso do paciente citado”, destacou a nota.

Os locais e marcações de exames são feitas com base nas unidades de atendimento próximas à residência do usuário, de modo que o exame seja feito o mais rápido possível.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.