As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pacientes se queixam novamente de falta de remédios na Unidade Dispensadora Tenente Pena

Em agosto do ano passado, medicamento usado para controlar hormônio do crescimento que custa, em média, R$ 18 mil também estava indisponível na unidade

Renata Okumura

22 Março 2018 | 16h30

SÃO PAULO – Pacientes da Unidade Dispensadora Tenente Pena, que fica na Rua dos Italianos, 506, no Bom Retiro, na região central da cidade, reclamam, mais uma vez, que faltam medicamentos de alto custo na unidade de saúde.

Vanessa Ladica utiliza o remédio Revolade 25mg para controle de nível das plaquetas no sangue. “A falta dessa medicação pode causar hemorragias e até levar a morte, já que sem ela, minha plaqueta cai abaixo de 100 plaquetas causando indisposição, cansaço e fraqueza”, destacou a paciente.

Pacientes reclamam de falta de medicamentos na Unidade Dispensadora Tenente Pena Foto: Renata Okumura

Vanessa acrescenta que não tem como arcar com o medicamento que custa R$ 16 mil reais por mês. “O atraso na entrega prejudica nosso tratamento médico”, desabafou.

Em nota, a Coordenadoria de Assistência Farmacêutica informa que a paciente fez sua última retirada de medicamento no dia 22 de fevereiro, com retorno agendado para esta quinta-feira, 22.

Em outras unidades de saúde, a queixa é a mesma com relação ao abastecimento. “Sou diabética e tenho um processo administrativo para receber meus medicamentos, porém desde agosto não recebo minha insulina. A insulina que eu uso é cara e não tenho condição de arcar com os gastos”, ressalta Jessica Avelino.

RELEMBRE: Pacientes voltam a reclamar de falta de remédios na Unidade Dispensadora Tenente Pena

Marli Conceição deveria retirar o medicamento Anagrelida na Unidade Dispensadora Tenente Pena, que fica na Rua dos Italianos, 506, no Bom Retiro, na região central da cidade.

“Recebi a informação de que não tem o remédio e não há previsão de entrega. O medicamento é para o tratamento de redução de plaquetas no sangue. Quem toma não pode ficar sem porque corre o risco de trombose”, destacou Ronaldo Silva que acompanhava Marli Conceição.

“O medicamento dispensado para a Sra. Marli Conceição Gomes, está em fase de aquisição e deve ser entregue ainda neste mês, segundo o fornecedor, ao qual foi solicitada celeridade na entrega. A paciente será comunicada tão logo haja disponibilidade do item”, informou, na época, a Coordenadoria de Assistência Farmacêutica.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.