As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Prefeitura de SP recebe mais de 25 mil pedidos de tapa-buracos entre janeiro e fevereiro

Moradores relatam receio de acidentes; prefeitura informa que chuva interferiu no serviço de tapa-buraco

Renata Okumura

26 de março de 2019 | 16h21

SÃO PAULO – O crescente número de buracos está tirando a tranquilidade de motoristas e pedestres da capital paulista. Em dias de chuva, o risco de acidente é ainda maior.

“A Rua Professor Hasegawa em Itaquera, na zona leste, está com muitos buracos perigosos entre os números 500 e 700. Os buracos vão até as ruas Matashiro Yamaguishi e Ioneji Matsubayashi”, disse a moradora Tânia Farias.

Além das curvas perigosas, motoristas precisam desviar de buracos que estão nos dois sentidos da via.

Buraco em via prejudica pedestres e motoristas Foto: Renata Okumura

Segundo moradores, com a forte chuva, fica ainda mais difícil trafegar pela rua e o risco de o pneu do carro ficar preso no buraco aumentou consideravelmente.

A Secretaria Municipal das Subprefeituras informa que entre janeiro e fevereiro deste ano foram recebidos, via Central SP156, 25.312 pedidos de tapa-buracos na capital paulista. Neste mesmo período foram atendidas 19.978 solicitações.

No primeiro bimestre do ano passado, foram registrados 17.142 pedidos e atendidos 44.292, incluindo demandas anteriores.

“É importante ressaltar que com o fechamento Usina de Asfalto da Barra Funda, na zona oeste, no início deste ano, após acordo com o Ministério Público, a Prefeitura contratou o serviço de outras usinas para suprir a necessidade da cidade referente à massa asfáltica. A medida atendeu a diversas reivindicações de preservação ambiental”, destacou a nota.

Por esse motivo, a prefeitura alega que houve um déficit de massa que resultou na queda de produção. As empresas Usicity, Jofege e Versatil, todas elas com novos contratos, passaram a fornecer massa asfáltica a partir da última segunda-feira, 25, à prefeitura.

“Outro fator que influenciou no resultado deste bimestre foi o período de chuvas, que implica diretamente no serviço de tapa-buraco, já que o serviço não pode ser realizado com o asfalto molhado”, acrescentou a nota.

Nos dois primeiros meses deste ano, choveu em média 638,7 mm na cidade, mais de três vezes o registrado no primeiro bimestre de 2018 (190,4 mm).

Em relação aos buracos na Rua Matashiro Yamaguishi, a Subprefeitura Itaquera informa que os reparos estão inclusos na programação de serviços desta semana.

Na zona norte, moradores afirmam que já reclamaram há mais de nove meses de buracos nas ruas José Roberto Vasconcelos e José Carlos Monteiro.

“Já fizemos várias queixas. Atendentes dizem que o pedido atrasou porque há menos pessoas nas ruas fazendo esse serviço. Mais de nove meses de espera”, disse morador que preferiu não se identificar.

A Subprefeitura Freguesia/Brasilândia informa que os reparos dos buracos citados estão inclusos na programação de serviço dos próximos dias.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.

Tudo o que sabemos sobre:

Blitz EstadãoqueixaBuracos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.