Shows no Sambódromo do Anhembi tiram a tranquilidade de moradores da região

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Shows no Sambódromo do Anhembi tiram a tranquilidade de moradores da região

Fogos de artifício acompanham shows que ocorrem à noite e vão até a manhã do dia seguinte; SPTuris informa que iniciou conversas com representantes de moradores do entorno para sanar os efeitos negativos causados pelo ruído proveniente do espaço

Renata Okumura

28 de maio de 2019 | 16h49

SÃO PAULO – Há mais de três anos, moradores do entorno do Sambódromo do Anhembi se queixam do barulho excessivo provocado pelo alto som em shows que ocorrem no local. Além disso, fogos de artifício também acompanham os festivais. Eles citam ainda que muitos eventos começam na sexta-feira ou no sábado à noite e duram até a manhã seguinte.

Conhecido popularmente como Sambódromo do Anhembi, o Polo Cultural e Esportivo Grande Otelo está localizado no distrito de Santana, na zona norte. O local, que recebe anualmente os desfiles das escolas de samba do carnaval, também organiza outros eventos ao longo do ano. Os shows, principalmente de música eletrônica, estão incomodando muitos moradores.

Vista do Anhembi. Foto: Morador Edilânio Antônio de Macêdo

Com uma recém-nascida em casa, a administradora Marina Leal, de 26 anos, reclama do barulho. Ela mora na Rua dos Americanos, na Barra Funda, na zona oeste da cidade, do outro lado da Marginal do Tietê.

“Eu e meu marido nos mudamos em agosto de 2018 para esse apartamento onde moramos e, desde então, é arrependimento atrás de arrependimento. O barulho do Anhembi é excessivo e desrespeitoso. Tem fim de semana que não conseguimos dormir, pois parece que a festa é no quarto ao lado. Fora os horários que são completamente sem cabimento, com a festa acabando apenas na manhã do dia seguinte. Também tem os fogos de artifícios que sempre acompanham os festivais. Agora, temos uma bebê de 30 dias em casa, o que torna ainda pior o barulho, pois ela não consegue dormir”, reiterou Marina.

O gerente comercial Giuseppe Trotta Prestes, de 34 anos, mora na Rua João Rudge, na Casa Verde, na zona norte. Ele afirma que os moradores estão se mobilizando contra os shows de música eletrônica que acontecem no Anhembi aos fins de semana.

“As festas começam na noite de sexta-feira ou sábado e vão até a manhã do dia seguinte. O barulho durante toda a madrugada impede moradores de uma área de pelo menos 5 km² ao redor do Anhembi de dormir. Os bairros de Santana, Casa Verde, Bom Retiro, Jardim São Bento e Vila Bianca têm sofrido cada vez mais com esse desrespeito”, destacou ele.

Em dezembro, os moradores coletaram mais de 700 assinaturas em um abaixo-assinado. Reuniram-se com representantes da São Paulo Turismo (SP Turis) que prometeu tomar providências a respeito.

Foto: Morador Edilânio Antônio de Macêdo

“No entanto, nos últimos dois fins de semana, tivemos eventos que não respeitaram os limites e teremos novamente nos próximos. O Anhembi está em uma área de zoneamento especial, onde não existem limites de horário e barulho, porém as regiões que o cerca têm suas regras de zoneamento, onde entre 22h e 7h não podem exceder até 55 decibéis, mas são diretamente impactadas pelo Anhembi que emite até 80 decibéis em plena madrugada”, disse morador.

Para o administrador de empresas Edilânio Antônio de Macêdo, de 37 anos, que mora na Rua Sérgio Tomás, no Bom Retiro, no centro da cidade, as mesmas regras para shows em estádios deveriam valer para o Anhembi. “Os limites de som chegam a 80 decibéis em alguns shows e, mesmo com a janela fechada, não conseguimos ter uma noite de descanso. Outro ponto é uso de fogos de artifícios durante esses shows. Se as casas de shows e estádios devem respeitar as leis e minimizar o impacto da poluição sonora, o Anhembi deveria tomar todas medidas para conter o som em seu ambiente. É preciso investir em infraestrutura para receber esses eventos”, cobrou Macêdo.

Anhembi à noite. Foto: Moradora Ângela Maria Trotta Lorenzetti

A arquiteta Ângela Maria Trotta Lorenzetti, de 62 anos, mora na Rua Benta Pereira, no Santana, na zona norte, também se queixa que o alto som invade seu apartamento. “As noite são fragmentadas e acordamos irritados. Fui obrigada a investir em uma janela anti-ruído no quarto da minha filha, pois devido a localização da janela parece que estamos dentro do evento”, reclamou ela.

Posicionamento

A São Paulo Turismo (SPTuris) informa que o calendário do Anhembi possui diversas atrações culturais e musicais noturnas em todas as áreas. “É de nosso total interesse garantir o conforto dos moradores em nosso entorno, bem como trabalhar para que seja motivo de orgulho viver próximo a este que é um dos mais emblemáticos centros de eventos não só do Brasil, mas do mundo”, ressaltou a nota.

A SPTuris esclarece que está trabalhando junto aos promotores de eventos para desenhar ações que possam amenizar o efeito sonoro indesejado e também iniciou conversas com representantes de moradores do entorno do Anhembi para sanar os efeitos negativos causados pelo ruído proveniente do espaço.

Quer compartilhar alguma reclamação em seu bairro? Mande seu relato por WhatsApp (11) 9-7069-8639 ou para o email blitzestadao@estadao.com.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: