Mocidade Alegre, com a Tenda dos Milagres, de Jorge Amado, entra no Anhembi

Estadão

19 Fevereiro 2012 | 01h24

Após sofrer um incêndio no barracão, no início do ano, e ter dois carros alegóricos danificados, a escola Mocidade Alegre teve que correr contra o tempo e entrou no sambódromo do Anhembi dando destaque à obra Tenda dos Milagres, livro escrito por Jorge Amado em 1969.

É a terceira escola a desfilar no segundo dia de apresentações do Grupo Especial de São Paulo. O desfile teve início à 1h15 desta madrugada de domingo, 19. Veja a musa da Mocidade Alegre do Carnaval JT 2012.

 

“A temática afro faz parte do passado de glórias da Mocidade Alegre e, em 2012, mantendo o perfil inovador e arrojado de fazer carnaval, também prestará uma saudosa homenagem a ele que é símbolo de defesa da cultura afro-brasileira, nosso consagrado escritor Jorge Amado, e com isso conquistamos o privilégio de pertencer ao circuito oficial de comemorações de seu centenário”, comentou a presidente da agremiação, Solange Bichara.

 

A Mocidade, que está em jejum de título desde 2009, faz um desfile com 3.500 componentes, 25 alas e cinco alegorias. Os destaques da escola são os atores Cassio Scapin e Nil Marcondes, além de Aline Oliveira, rainha de bateria.

Segue abaixo o samba-enredo da Mocidade:

O rufar do tambor vai ecoar

Tenho sangue guerreiro, sou Mocidade!                                       REFRÃO
A luz de Ifá vai me guiar
Ojuobá espalha axé, felicidade!

 

Kaô kabecile
Kaô, meu Pai Xangô!
Ouça o clamor de Ojuobá
É fogo! É trovão! É justiça!
E assim, cruzando o mar de Yemanjá
Aponta o seu oxé a nos guiar
Raiou o sol da liberdade a quebrar correntes
E nessa terra o negro vence
Com a proteção do rei de Oyó
Contra o preconceito ao seu povo
Conduz a mão que escreve um mundo novo

 

No Pelô… Salve a Bahia de São Salvador
Eu vou à capoeira, meu amor                                                        REFRÃO              
Morada dos milagres, devoção e fé
Um grito de igualdade… Axé!

 

É magia…

 

Na mistura de raças surgiu
A pele morena, linda é a cor do Brasil
Na crença, um traço cultural
E pelas ruas o povo a cantar
É arte popular que faz emocionar, o Afoxé a embalar
No Ylê a sua luz brilhou
A mão de Mãe Senhora o consagrou
Eternizado, é coroado Obá de Xangô
Jorge… Orgulho da nação

 

Amado… Em cada coração
Feliz, o povo canta em oração!

 

(COM DAIENE CARDOSO, DA AGÊNCIA ESTADO)