Banda ‘Chiclete com Banana’ abre o carnaval baiano na noite desta quinta-feira

Estadão

07 Fevereiro 2013 | 12h26

SALVADOR – Apesar de Salvador e litoral norte da Bahia serem sede de festas de carnaval desde o início do verão, nos chamados “ensaios” das principais bandas de axé do Estado, a folia começa oficialmente na noite desta quinta-feira na capital baiana.

E começa em grande estilo: logo após o recém-empossado prefeito Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM) entregar a chave da cidade ao reeleito Rei Momo Léo Boy, em cerimônia marcada para as 20 h (horário de Brasília), a banda Chiclete com Banana, uma das mais celebradas da festa, “abre os trabalhos” no carnaval soteropolitano em uma apresentação gratuita (sem cordas) pelo Circuito Osmar (Campo Grande), o mais tradicional da folia.

A abertura oficial da festa é uma formalidade – até porque, antes de sua realização, trios já estarão desfilando nos dois outros circuitos da festa, o Dodô (Barra-Ondina) e o Batatinha (Pelourinho) -, mas simboliza o início de uma celebração popular que impressiona pelos números.

Até a quarta-feira, 2 milhões de pessoas, dos quais 500 mil turistas, são esperadas nos 10 quilômetros de circuitos carnavalescos da cidade, nos quais 224 blocos e afoxés se apresentarão. Entre trios elétricos e carros de apoio, serão 110 veículos nas ruas e avenidas em que ocorrem os desfiles.

Nas imediações dos circuitos, 3,5 mil vendedores ambulantes – considerando apenas os cadastrados pela Prefeitura – montarão barracas para vender bebidas e petiscos diversos (exceção feita ao churrasquinho, que foi vetado pela administração municipal pelo risco de agressões com os espetinhos). Além dos 2,5 mil agentes das equipes de limpeza, 2,4 mil catadores de resíduos sólidos foram cadastrados para recolher os detritos deixados nas ruas. Dois mil banheiros químicos estão espalhados pelos locais de festa.

A segurança será feita por 24 mil policiais civis e militares, auxiliados por 95 câmeras instaladas nos circuitos, integradas por uma rede de fibra ótica de 27 quilômetros. Entre postos e módulos avançados de saúde, os foliões vão contar com 207 leitos hospitalares nos circuitos. Um terço de toda a frota de ônibus da cidade, o que corresponde a aproximadamente 1,5 mil veículos, serão deslocados para atender a quem chega ou sai dos circuitos.

 GUITARRA BAIANA

A festa deste ano homenageia um dos ícones do carnaval da Bahia, a guitarra baiana. O instrumento, inventado pela dupla Dodô e Osmar – também criadores do trio elétrico – na década de 1940 para resolver um problema de microfonia causado pelos violões ocos quando ligados a amplificadores, recebeu inicialmente o nome de pau elétrico e era a “voz” dos trios até o fim da década de 1970.

Só então os trios passaram a receber cantores e o pau elétrico ganhou as atuais formas e o nome de guitarra, por meio de um dos filhos de Osmar, Armandinho Macedo. “A ‘guitarrinha’ foi o começo de tudo”, diz o músico, que ainda comanda o trio Armandinho, Dodô e Osmar na folia. “Foi a partir dele que surgiu o trio elétrico e o carnaval como a gente conhece hoje.”

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

Mais conteúdo sobre:

baianoCarnavalchiclete com banana