Irreverência traduz a sedução do enredo da Mocidade

Estadão

10 Fevereiro 2013 | 00h25

Equipe AE

Impecável nos adereços e dentro do tempo regulamentar de desfile, a Mocidade Alegre traduziu com irreverência seu enredo sobre a sedução, o terceiro que passou pelo sambódromo paulistano nesta segunda noite de apresentações do Grupo Especial. Atual campeã, a agremiação do bairro do Limão, na zona norte, fez a arquibancada cantar com um samba-enredo com letra fácil de reproduzir.

[galeria id=5810]

A comissão de frente retratou o poder da sedução sob o ponto de vista bíblico, fazendo um convite à plateia para comer o fruto proibido. O abre-alas foi uma grande maçã, com a ex-rainha da bateria Nani Moreira representando a serpente do pecado original. O primeiro carro alegórico, motorizado e de 30 metros de comprimento, trouxe serpentes e maçãs, reforçando o tema.

As alas seguintes reproduziram com os sete pecados capitais. Na ala Avareza, por exemplo, os componentes vestiram muito dourado com detalhes de notas de dinheiro. Na ala Gula, os sambistas se transformaram em bolinhos rosados do tipo cupcakes, enquanto na Ira predominaram fantasias com o “verde de raiva”. Na bateria, dividida pelas cores azul e verde, a ideia foi identificar um soco inglês. Na ala da Preguiça, a escola embrulhou seus componentes em edredons e travesseiros azulados.

Depois de tratar dos pecados, a escola passou a misturar vários símbolos amparados no apelo de ‘brincar de ser deus’, a escola trouxe representações sobre clonagem humana em laboratórios e até um carro com um grande Frankenstein. Os vampiros apareceram numa ala mostrando a conquista da eternidade.

+ Ouça os enredos das escolas de SP
+ Confira a ordem dos desfiles de São Paulo
+ ESPECIAL: saiba tudo sobre o Carnaval 2013

Outra alegoria, chamada de Bem-Vindo ao Céu, a Mocidade fez uma paródia com um carro-balada, onde havia DJs em uma rave, além de símbolos de jogo de azar como dados e roleta russa.

Ainda na linha irreverente, a rainha de bateria, Aline Oliveira, vestiu uma fantasia com detalhes brilhantes e pontiagudos. Ela jurou que não incomodava, a não ser se alguém a abraçasse. “Aí sim, vai doer.”

Confira os destaques do desfile:

01h21: Terceira agremiação a passar pelo Anhembi, a A Mocidade Alegre apresenta o enredo A Sedução Me Fez Provar, Me Entregar à Tentação… Da Versão Original, Qual Será o Final?. Torcida canta o refrão do samba: Vou seduzir seu coração/ Com muito orgulho, sou Mocidade/ Nosso final feliz, depende de você/ Fazer o sonho acontecer.

01h30 – NATALY COSTA: Tentando ser campeã pela segunda vez consecutiva, a Mocidade vem supersticiosa: diretores de harmonia acenderam incensos e tem até pai de santo benzendo os carros.

01h40 – WLADIMIR D’ANDRADE – Enquanto a bateria da atual campeã Mocidade Alegre começava o esquenta antes de entrar na avenida, um rapaz de cabelo raspado com o nome da escola escrito na cabeça supervisionava os músicos e a afinação de seus instrumentos, o mestre Sombrinha. Filho do Mestre Sombra, ele tem apenas 12 anos. O adolescente ajuda o pai na coordenação da bateria desde 2006, mas conta que ainda fica nervoso minutos antes de entrar na passarela. “Todo ano parece o primeiro dia”, disse.

01h59 – NATALY COSTA: O desfile começou com muita superstição. A presidente da escola, Solange Bichara, jogava moedas de cinco e dez centavos no chão da avenida para dar sorte, além de segurar terços. O pai de santo Dinho banhava os carros com alfazema defumada enquanto a diretoria de harmonia acendia vários incensos.

Com uma fantasia chamada Motivo da Ira, a rainha de bateria veterana Aline Oliveira chamava a atenção na concentração pela simpatia. Ela tem apenas 23 anos e já desfila há onze. Aline também toca bateria. O instrumento está preso a sua roupa.

02h01 – NATALY COSTA: Com jeito de gerente, a presidente Solange Bichara não deixava passar um detalhe. “Olha o elástico saindo. Coloca isso para dentro. Sua máscara está torta”, gritava para quem desfilava. “Valeu, Sol!”, respondiam os integrantes da escola.

02h05 – NATALY COSTA: A famosa paradinha da bateria da Mocidade levantou o público. Os carros são enormes, os mais largos que passaram pela avenida hoje. Tanto que os diretores de ala têm de checar cada manobra para que os carros não vão muito para a direita ou esquerda e encalhem.

02h16: Termina o desfile da Mocidade Alegre. A escola levou para a avenida 3.500 integrantes, distribuídos em 25 alas e cinco alegorias.