Prefeitos suspendem carnaval e renovam decretos de emergência

Estadão

10 Fevereiro 2013 | 12h26

Luciano Coelho, Especial Estadão – Em meio a crises, algumas prefeituras também informaram que cancelaram as festividades e decidiram não investir recursos públicos. Os prefeitos estão atendendo as recomendações do Ministério Público e não realizarão carnaval ou gastarão dinheiro público em festas. Os gestores farão  um carnaval simbólico, sem gastos públicos. “Para não passar em branco, estamos fazendo um pequeno Zé Pereira com uma bandinha na rua. Somente isso. Não temos recursos para gastar mais.”, declararam o prefeito de Regeneração , Eduardo Alves, (PTB), conhecido como Seu Dua, e o prefeito de Cocal, Rubens Vieira (PSDB). Para não terem os benefícios dos programas emergenciais suspensos, os prefeitos estão renovando os decretos de emergência.

Segundo Seu Dua, não se pode fazer festas com funcionários públicos tendo dinheiro a receber, o município estando em estado de emergência e a prefeitura estando com restos a pagar.

“Não faremos festas por recomendação do Ministério Público. Estamos numa situação caótica e sem condições de fazer nada. Precisamos de compensações para mantermos os serviços do município funcionando.”, declarou o prefeito de Regeneração.

Já o prefeito de Cocal, Rubens Vieira, afirmou que o município está um caos e não tem como fazer festa. Não tem clima e nem recursos para isso, advertiu. Para não passar em branco, disse ele, vamos fazer incentivar o corso, carnaval de rua, uma bandinha local tocando para animar os populares. Nada mais que isso, garantiu.

O Ministério Público expediu  circular para os promotores de forma que recomendassem para os prefeitos em cada comarca que não fizessem os gastos com festas com dinheiro público, haja vista a situação de emergência.

Os prefeitos  foram orientados a renovarem os decretos de emergência pelo Governo do Estado e pela APPM para poderem pleitear ajuda emergência do Governo Federal com programas como o Seguro Garantia Safra, Bolsa Estiagem, abastecimento d´água e outros benefícios. Quem não tiver decreto, não recebe esta ajuda.