Vila Maria desfila Coreia do Sul em tempo regulamentar

Estadão

10 Fevereiro 2013 | 02h43

Equipe AE

Com o enredo sobre os 50 anos da imigração coreana no Brasil, a Unidos de Vila Maria fez um desfile correto na madrugada deste domingo, 10, mas não empolgou o público, que continuava a lotar as arquibancadas. Quinta a desfilar e a exemplo das outras escolas nesta noite até o momento, cumpriu o tempo regulamentar, mesmo tendo um problema de comunicação, que ocasionou certa demora para pôr em movimento o segundo carro alegórico. O clima na dispersão era de alívio e tensão, muitos de olho no relógio.

[galeria id=5813]

A comissão de frente veio inspirada no filme A Última Imperatriz para simbolizar o renascimento. As fantasias foram especialmente trazidas da Coreia do Sul. Comandando a bateria da escola da zona norte de São Paulo, mestre Moleza tem 30 anos de idade, o mais jovem do carnaval paulistano neste ano. Os ritmistas usaram longas vestimentas amarelas de guerreiros similares a samurais japoneses.

Caracterizada de Fênix, a madrinha de bateria, Elen Pinheiro, fez até uma tatuagem para melhor retratar a figura mitológica que ressurge das próprias cinzas. Segundo ela, foram 12 horas de trabalho que “valeram a pena”. A segunda alegoria, que teve um problema no início do desfile, apresentou uma representação prateada de tigres asiáticos.

+ Ouça os enredos das escolas de SP
+ Confira a ordem dos desfiles de São Paulo
+ ESPECIAL: saiba tudo sobre o Carnaval 2013

Outro destaque veio caracterizado de Psy, famoso cantor coreano que contagiou o mundo com seu Gangnan Style. A escola trouxe ainda a famosa coreografia do sucesso coreano em uma de suas alas.

O carro alegórico que abrigou a cultura e da religião do país homenageado teve símbolos de budismo e confucionismo, além de uma “monja” coreana. Outra alegoria ressaltou comidas típicas, especialmente frutos do mar e uma famosa pimenta coreana. Vestidos de branco, os diferentes casais de mestre-sala e porta-bandeira sintetizaram os laços de amizade entre Brasil e Coreia. O último carro representou o esporte, em especial o Taekwondo, uma arte marcial genuinamente coreana.

Veja os destaques da escola:

03h43 – TIAGO DANTAS: Com a participação de cerca de 800 coreanos e descendentes, a Unidos de Vila Maria entrou no sambódromo às 3h35 deste domingo, dia 10. O enredo vai celebrar os 50 anos de imigração coreana.

03h56 – JULIANA DEODORO: Um cover do pop star coreano Psy, do vídeo Gangnam Style, o  mais visto da história do Youtube, é o destaque da primeira alegoria que a Vila Maria traz ao Anhembi.

04h08 – EQUIPE AE: A Unidos de Vila Maria leva para a passarela do samba aproximadamente 4 mil componentes em 27 alas e cinco carros alegóricos.

04h13 – TIAGO DANTAS: A Unidos de Vila Maria trouxe para o sambódromo carros de grande porte e muitas cores. A terceira alegoria mostrava um tigre “made in Korea”. Articulado, o boneco mexia a cabeça, as patas e o rabo, além de soltar fumaça. Logo atrás, uma ala de sambistas reproduzia os passos de dança que ficaram famosos no hit Gangnam Style, do cantor coreano Psy.

04h27 – GABRIELA LARA: A rainha de bateria da Unidos de Vila Maria, Cris Cuozo, fez sua estreia pela escola usando uma fantasia que custou R$ 15 mil. “Levou muita pedraria”, explicou a jovem de 29 anos, que foi escolhida para o posto por meio de um concurso. A roupa representa uma fênix do jardim imperial, no enredo que homenageia os 50 anos da imigração coreana no Brasil. Cris, que é esteticista e dançarina, disse que não fez preparação especial para representar a agremiação na avenida. “Só muito samba mesmo.”

04h32 – JULIANA DEODORO: O penúltimo carro da Vila Maria fez referência à culinária coreana. Peixes, caranguejos e mariscos enfeitavam a alegoria. O que mais chamava a atenção, no entanto, era o polvo gigante que ocupou a parte de trás do carro.

04h48 – JULIANA DEODORO: Por pouco a Unidos de Vila Maria não consegue fechar o desfile no tempo máximo. As duas últimas alas correram para não estourar o cronometro. Sérgio Ferreira, presidente da escola, atribuiu o tamanho da escola e o número de componentes ao quase atraso. Para ele, a escola estará no desfile das campeãs. “Viemos com muito brilho e cumprimos nosso papel”.

05h15 – TIAGO DANTAS: Fantasias coloridas, carros com figuras articuladas e centenas de olhos puxados são as apostas da Unidos de Vila Maria para terminar entre as primeiras colocadas do carnaval paulistano. A agremiação levou para a avenida um enredo baseado nos 50 anos da imigração coreana. A velha guarda da escola concluiu o desfile em cima do tempo máximo permitido, quando o relógio já marcava 65 minutos. “Viemos com muito brilho e cumprimos nosso papel”, disse Paulo Sérgio Ferreira, o Serginho, presidente da Vila Maria.

Serginho acredita que, passado o carnaval, a escola terá que se reorganizar para lidar com as dívidas deixadas pelo desfile. A agremiação contava com o patrocínio da Associação Brasileira dos Coreanos que, em outubro, retirou o apoio. “Vão sobrar umas despesas para o futuro.” Embora a Vila Maria tenha anunciado a presença de quase 800 coreanos e descendentes, encontrar um par de olhos puxados no meio das alas não era tão fácil.

Nascida na Coreia, a importadora Lisa Um, de 52 anos, veio para o Brasil há 20 anos e esteve pela primeira vez no Anhembi neste domingo. “Achei maravilhoso. Todo mundo estava animado. Era como se fôssemos um só.” Ao lado de outros colegas da colônia coreana, Lisa diz que ensaiou dois meses com a Vila Maria e que pretende desfilar de novo no ano que vem, mesmo que não seja para homenagear seu país natal.

05h17 – JULIANA DEODORO: Houve quem viesse de longe apenas para ver o desfile da Unidos de Vila Maria. A coreana Yun Kt Young, de 32 anos, foi uma dessas pessoas. Ela ficou sabendo do desfile pela internet, por meio de um site de notícias feito no Brasil para a comunidade que vive por aqui. Yun afirma que a escola representou bem a Coreia e que ficou satisfeita com os shows, apesar de achá-los parecidos. “Assisti a três escolas, e não vi muita diferença entre elas”, disse.