18 de Elul – Poema para Rosh Hashaná 5781

Paulo Rosenbaum

18 de setembro de 2020 | 11h34

Shana Tová umetuká (Um ano bom e doce)

Meu poema – salmo : “18 Elul”

Retirado do Livro “A pele que nos divide” Quixote-Do, 2017

Mestre Do Multiverso
Que a saúde e o bem estar sejam restabelecidos
Na Terra, em Teus Difusos Domínios
Que Tua Toda Presença seja agora percebida
Pelo tato, aquecida pelos sentidos do corpo
Guardada pelas andanças da alma
Que Tua atmosfera forneça nosso ar
E Teu hálito nos habite dia e noite
Nas viagens e no repouso
No trabalho e nos sonhos

E através de teus intermediários e transportadores
Que esta carga seja recebida com sincera aceitação
Que a resignação seja suave entendimento
Que Tua proteção ceda calor aos nossos dias
Que o inevitável seja revogado
Que a beleza e a realeza dispensem severidade
Que o mundo da Ação penetre no da Luz
Que as dimensões se fundam
E nas cordas infinitas, entrelacem nossa adesão a Ti

Não por Ti que nada precisa,
nada pede, nada demanda, nada exige

Mas por Nós

Por nós,
Pedintes endurecidos e impertinentes

Que Tuas bênçãos se infiltrem em todos
Que nossos poros mereçam Teu óleo
Que nossas vidas sejam destinadas
Ao propósito que, mesmo ignorado,
estejam traçados por Ti
No milimétrico compasso do Teu Império.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.