Ato Patriota

Ato Patriota

Paulo Rosenbaum

26 de agosto de 2013 | 22h22

 

Crise com a Bolívia derruba Patriota e embaixador na ONU assume o Itamaraty

       Quando quebrar a hierarquia é um ato patriótico

Eduardo Saboia encarregado de negócios da embaixada do Brasil em La Paz talvez ainda não tenha plena consciência da amplitude de seu ato, mas foi além da coragem impulsiva. Quebrou, ao mesmo tempo, o protocolo, a hierarquia e espinha dorsal inflexível de uma diplomacia que vinha se alinhando a uma ideologia retrógrada e ambivalente, sobretudo hipócrita. Tomou e assumiu sozinho a difícil decisão por questões humanitárias antevendo a iminente tragédia de um potencial suicídio, fruto de um prolongado confinamento sem perspectivas de liberdade, sob o qual vivia o senador exilado. Exílio concedido e sustentado por mais de 400 dias. Uma pena que tenha custado o cargo do lúcido Antônio Patriota. Deixa estar, Saboia mereceria por este ato, um sobrenome deste gênero.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.